O pedido da China para a Airbus envolvendo 300 novas aeronaves, pode não ser tão “completo” quanto o anunciado pela fabricante.

O negócio de US$ 35 bilhões tem alguns pedidos incluídos que já foram realizados anteriormente, como a encomenda para 10 aeronaves do modelo A350, realiada pela empresa Sichuan Airlines em 2018 durante um show aéreo.

Além disso, algumas encomendas para o A320neo, das 290, já foram realizadas e listadas como “comprador não identificado”, ou foram derivadas de “opções e direito de compra”.

Mas o compilado de encomendas de várias companhias da China ajudou na relação entre a União Europeia e a potência asiática, em meio a uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

O pedido ajudou a Airbus fechar o primeiro trimestre de 2019 com um saldo positivo de encomendas, enquanto enfrentou o cancelamento de 120 pedidos já realizados. Foram 62 encomendas brutas nos primeiros meses deste ano.