Superjet da Aeroflot pronto em linha de montagem da Sukhoi.

Após uma reunião do conselho realizada em 28 de novembro de 2019, presidida por Evgeny Ditrich, a Aeroflot declarou sua intenção de adquirir mais cinco aeronaves Sukhoi Superjet 100. Para ajudar a facilitar o número necessário de aeronaves regionais na frota, os diretores votaram pelo arrendamento de cinco novos Sukhoi Superjet 100s regionais.

Embora afirme que pode adiar o pedido, caso opte por fazê-lo, a Aeroflot gostaria de ter os cinco novos jatos antes do final do ano.

A Aeroflot opera o Sukhoi Superjet 100 de fabricação russa desde junho de 2011 e atualmente possui 49 deles em sua frota. Quando os planos para o Sukhoi Superjet 100 estavam sendo elaborados no início dos anos 2000, a Rússia estava apenas se abrindo para o mundo exterior e tinha um novo líder, Vladimir Putin.

Com os cofres nacionais cheios de dinheiro com a venda de petróleo e gás, a ideia de construir um jato regional que pudesse competir com o Bombardier, do Canadá, e a Embraer, do Brasil, certamente parecia atraente.

Apesar de um começo promissor e de alguns dos maiores nomes do setor aeroespacial participando do projeto, o Sukhoi Superjet 100 logo começou a ter problemas.

Por trás da fachada cintilante e todas as manchetes divulgando as inovações dos aviões, havia a história menos atraente de peças defeituosas, prazos perdidos e falta de motores.

Após o acidente do Superjet 100 na Indonésia em 9 de maio de 2012, durante um voo de demonstração que deixou 45 pessoas mortas, a confiança do público na aeronave começou a diminuir. Putin também começou a perder o interesse no projeto. Um acidente recente, da Aeroflot, diminuiu ainda mais a confiança.


Sendo a companhia aérea nacional Russa, a Aeroflot era obrigada a encomendar a aeronave Sukhoi para sua frota. No entanto, outras companhias aéreas que estavam considerando o avião começaram a procurar alternativas mais confiáveis.

 

Via – SimpleFlying