O Aeroporto Brigadeiro Protásio de Oliveira, em Belém (PA), completa 41 anos de operações nesta quarta-feira (30/8). O terminal recebe exclusivamente aeronaves de pequeno porte da aviação geral e está localizado a quatro quilômetros do centro da capital paraense.

Com capacidade para receber cerca de 600 mil passageiros por ano, o terminal tem horário de funcionamento diário das 6h30 às 18h30. Possui quatro hangares de aviação geral e três empresas de manutenção de aeronaves, instalados em mais de 920 mil metros quadrados do sítio aeroportuário.

O terminal também se destaca por atender a uma grande demanda de serviços relacionados à manutenção geral de aeronaves, sendo ainda utilizado como apoio do Aeroporto Internacional Val-de-Cans, distante a apenas três quilômetros.

Atualmente, dez empresas de táxi aéreo ligam o terminal a municípios do Pará, bem como cidades de estados vizinhos. Os turistas que desembarcam no Aeroporto Brigadeiro Protásio de Oliveira têm como principal destino a Ilha do Marajó – banhada pelo oceano Atlântico e pelos rios Amazonas e Tocantins, sendo a maior ilha fluviomarinha do mundo – um dos mais importantes pontos turísticos da região.

 

História

O nome do aeroporto é uma homenagem ao Tenente-Brigadeiro-do-Ar Protásio Lopes de Oliveira, aviador da Força Aérea Brasileira (FAB) e presidente da Infraero nos anos 80. O Brigadeiro Protásio teve uma vida dedicada ao trabalho na FAB, voltado ao processo de integração territorial e populacional do Norte do País, com foco na Amazônia brasileira. Após anos de uso militar, em 1976, o aeródromo foi aberto ao tráfego aéreo e uso público, sob a jurisdição do Departamento de Aviação Civil – DAC. Em outubro de 1980, o aeroporto passa a ser administrado pela Infraero.

De janeiro a junho deste ano foram registrados 5.337 passageiros no terminal paraense, entre operações de embarque e desembarque.