Aeroporto de Brasília recebe selo de Aeródromo Sustentável nível avançado pela ANAC

Foto: Divulgação / Aeroporto de Brasília

As práticas de sustentabilidade adotadas pelo Aeroporto de Brasília foram reconhecidas na 1ª edição do Projeto Aeródromos Sustentáveis da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). O terminal brasiliense conquistou o selo de Aeródromo Sustentável nível avançado, sendo um dos quatro únicos dentre os 23 aeródromos avaliados na pesquisa.

Para concorrer foi necessário que cada aeródromo enviasse, voluntariamente, a sua aplicação de acordo com as práticas ambientais exercidas por cada um. O Aeroporto de Brasília obteve nível avançado em 28 das 36 iniciativas avaliadas. As iniciativas envolvem critérios relacionados à Educação Ambiental, Gestão da mudança climática, Gestão de energia elétrica, Gestão de resíduos, Gestão do ruído aeronáutico, Gestão do solo, fauna e flora, Gestão hídrica e Gestão organizacional.

Práticas ambientais no Aeroporto de Brasília

O Aeroporto de Brasília conta com uma equipe de meio ambiente responsável por todos os projetos ambientais e de sustentabilidade do terminal aéreo. Nesses 7 anos de concessão, várias iniciativas foram implementadas, representando economia de energia e de água potável, melhoria na coleta seletiva e aumento de resíduos encaminhados para reciclagem, inventário de gases de efeito estufa, dentre outras.

A Inframerica, administradora do terminal brasiliense, implementou desde 2017 a coleta seletiva do lixo produzido no terminal. Por mês são encaminhadas para reciclagem  cerca de 16 toneladas de resíduos.

Nos últimos anos, cerca de 10 mil lâmpadas fluorescentes do terminal aéreo foram substituídas pelo tipo LED, mais eficientes e sustentáveis que as anteriores. Outros 634 refletores do pátio de aeronaves com lâmpadas do tipo vapor de sódio foram trocados também por lâmpadas LED, uma economia de 4,2% em relação ao consumo total do aeroporto, além de redução na emissão de poluentes.

Dois poços artesianos foram perfurados com autorização da Adasa para fornecer água para combate a incêndios, irrigação e sistema de climatização do Aeroporto de Brasília. Assim, o consumo de água potável foi reduzido em cerca de 9 milhões de litros que antes eram fornecidos pela CAESB.


Como forma de compensação florestal, a Inframerica plantou cerca de 74.340 mudas nativas do Cerrado em áreas pertencentes ao Zoológico de Brasília e do Parque das Aves. Ao todo foram investidos cerca de R$ 7 milhões em revitalização de parques e unidades de conservação do Distrito Federal.

O Aeroporto também adota fontes de energia renováveis para consumo. A Inframerica passou a comprar energia no mercado livre. Neste setor, há maior variedade de fontes de energia, como de matriz eólica, solar ou mesmo de pequenas centrais hidrelétricas e que geram menor impacto ambiental.

Consumir esse tipo de energia e não a do mercado regulado, significa anualmente um plantio de mais de 12 mil árvores em um projeto de reflorestamento. O setor de meio ambiente também quantifica as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) por meio da avaliação das emissões de CO² e de toda frota de veículos da concessionária.

Também estão disponíveis no site do Aeroporto de Brasília (www.bsb.aero) relatórios mensais de Monitoramento de Ruído Aeronáutico como forma de avaliar e trabalhar em cima dos índices de sons emitidos pelos serviços aeroportuários em regiões próximas ao terminal aéreo.

A Equipe Fauna, também integrante da gerência de meio ambiente, trabalha diariamente no pátio de aeronaves para gestão dos riscos de fauna. Eles são responsáveis pelo monitoramento, controle e manejo da fauna, de forma a evitar que os animais que vivem no entorno do aeroporto acessem a área operacional, proporcionando operações aéreas mais seguras.

Via: Assessoria Aeroporto de Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA