Aeroporto de Brasília
Foto - Aeroporto de Brasília/Inframerica

A pandemia acertou em cheio o setor aéreo mundial. Com as medidas de isolamento social e o fechamento de fronteiras, a paralização da aviação foi global e o setor foi um dos mais atingidos e prejudicados pela crise que o coronavírus trouxe com ele. Pode-se dizer que este foi o pior ano na história da aviação.

O Aeroporto de Brasília, o 3º mais movimentado do país, também sofreu com as consequências da pandemia. O terminal brasiliense fecha o ano de 2020 com a movimentação de 15 anos atrás, com 8 milhões de passageiros e 80 mil pousos e decolagens.

Este número representa um fluxo de aeronaves 45% inferior a 2019 e um movimento de pessoas 53% menor que 2019. O menor número já registrado desde que a Inframerica assumiu a concessão do terminal aéreo em 2012.

O movimento registrado em 2019 no Aeroporto de Brasília foi de quase 17 milhões de passageiros e 144 mil pousos e decolagens. Lembrando que em 2019 a paralização das operações da Avianca impactou os dados do ano, já que o Aeroporto de Brasília era um dos hubs da empresa aérea, com uma média de 30 voos diários.

“Tenho mais de 40 anos de experiência no setor aéreo e esta foi a pior crise para o setor. Guerra do Golfo, 11 de setembro, crise de 2008, nenhuma teve um impacto tão devastador na indústria. O impacto foi sentido em todos os aeroportos, companhias aéreas e no setor de turismo do todo o mundo. Sentimos o impacto antes de vários setores e a recuperação deve ser mais lenta também”, conta Roberto Luiz, head de Negócios Aéreos da Inframerica.

Entretanto, vem acontecendo uma retomada das operações e o Aeroporto de Brasília vem crescendo mês a mês.

“Em dezembro tivemos a 8º alta consecutiva de voos e passageiros e chegamos a atingir 1 milhão de usuários. Número este que antes da pandemia era a movimentação regular do aeroporto fora da alta temporada”, conta Roberto. 

O mês de abril 2020 foi o pior resultado do Aeroporto. Foi o período que a redução da demanda por voos se agravou e o movimento registrado foi de apenas 45.577 usuários. A queda na movimentação de pessoas no mês chegou a 96,5%, quando comparado com o mesmo período de 2019. Este número chegou a ser a menor marca dos últimos 25 anos que se tem estatísticas do terminal aéreo.

O impacto na movimentação internacional também foi grande, no dia 25 de março foram suspensos todos os voos internacionais diretos da capital federal para os nove destinos que opera para o exterior. Em setembro a TAP retomou os voos para Lisboa com uma frequência menor e em novembro a Copa Airlines voltou a operar com dois voos semanais para o Panamá.

“Nós estamos otimistas quanto a retomada em 2021. Claro que esta recuperação estará ligada diretamente a vacinação da população e a abertura das fronteiras de alguns países, mas aos poucos vamos enxergando uma luz no fim do túnel. Nosso papel é deixar tranquila a passagem pelo nosso aeroporto daquele passageiro que precisa viajar. Estamos investindo em tecnologia para melhorar a experiência do nosso usuário”, comenta o executivo.