Aeroporto de Florianópolis recebe pela segunda vez um Boeing 747 em menos de 7 dias

Foto - Floripa Spotter/ www.instagram.com/floripaspotter/

Neste domingo (14/06) o Aeroporto de Florianópolis recebeu mais um Boeing 747, desta vez da companhia aérea cargueira Fly Pro, na versão 747-200.

A aeronave de matrícula ER-BAT fez uma extensa trajetória de Guangzhou, na China, para Florianópolis, com algumas escalas no caminho, em Bahrein e Acra. O Boeing 747 transportou 16 milhões de máscaras para o Brasil, para auxiliar no combate à disseminação do COVID-19.

No vídeo abaixo podemos ver o pouso perfeito realizado com a técnica AeroBraking, que diminui o impacto no trem de pouso dianteiro e ajuda a parar o avião mais rapidamente nos 2400 metros de pista do Aeroporto de Florianópolis.

Esta é a segunda visita de um Boeing 747 em Floripa nos últimos 7 dias, anteriormente um Boeing 747-400 pousou pela primeira vez no aeroporto. Em 1995 foi a vez de uma aeronave do modelo 747 pousar pela primeira vez, mas esta foi do modelo 747-200, a mesma deste domingo.

Obras de pátio e pista feitas pela Floripa Airport são melhorias que credenciaram o aeroporto de Florianópolis para operações deste porte e garantiram a homologação em outubro de 2019, junto à Anac, do aeroporto para receber aeronaves wide body ou código “E”, como o jumbo.

São elas:

  • A ampliação da pista principal de pouso e decolagem;
  • O alargamento da pista com a implementação de acostamentos;
  • O aumento da capacidade de pátio com a inauguração do novo terminal;
  • A construção de áreas de segurança nas cabeceiras, as chamadas RESA.

Do ponto de vista operacional, outras características são condicionantes favoráveis para operações com aeronaves código E:


  • A resistência do pavimento da pista, atestada recentemente por estudos técnicos feitos pela concessionária;
  • O baixo índice de fechamento do aeroporto por questões meteorológicas, um dos menores do eixo sul/sudeste;
  • O fato da pista de 2.400 metros estar ao nível do mar.

Outra iniciativa da Floripa Airport para garantir a operação com a aeronave jumbo foi a parceria com a Dnata, empresa de atividade de rampa (Ground Handling), especializada no atendimento de aviões de categoria E, um serviço que o aeroporto da Capital ainda não tinha.

 

DEIXE UMA RESPOSTA