Aeroporto de Confins BH Airport Belo Horizonte
Foto - BH Airport/Divulgação

Ao longo de 2021, o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte adquiriu energia elétrica (kWh) de fonte 100% renovável, o que garantiu a conquista da Certificação CemigREC.

O documento comprova que o consumo foi realizado por meio de hidrelétrica, o que contribuiu para que fosse energia limpa e segura.

Essa atenção do terminal às práticas ambientais vai de encontro aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) relacionados à produção de energia e à preservação do meio ambiente.

“Obter essa certificação evidencia o nosso compromisso em utilizar os recursos naturais de forma consciente, bem como o engajamento das equipes para desenvolver projetos que tenham reflexos na redução das emissões de gases de efeito estufa.”

“O aeroporto atua para se tornar o aeroporto mais sustentável do país e a conquista contribui para fortalecer essa ambição”, ressalta o CEO da BH Airport, Kleber Meira.

A sustentabilidade é um pilar estratégico da organização que também foi premiada, recentemente, pelo Programa Aeroportos Sustentáveis, promovido pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Nessa terceira edição do prêmio, foram avaliadas as ações sustentáveis implantadas pelos aeroportos ao longo de 2021 e o terminal foi premiado com a classificação no nível “Primeira Classe”, entre o grupo de aeroportos com número igual ou superior a 5 milhões de passageiros processados anualmente.

Foram avaliados aspectos referentes a ruído aeronáutico, eficiência energética, eficiência hídrica, resíduos, mudanças climáticas, qualidade do ar e gestão organizacional.

Aeroporto é reconhecido por práticas socioambientais

Ao longo de 2021, o terminal recebeu o selo de Aeroporto Verde, na edição 2021 do “Green Airport Recognition”, da Airport Council International (ACI), por suas práticas socioambientais. Além disso, o aeroporto foi classificado no nível redução entre os aeroportos certificados pelo programa ACI Airport Carbon Accreditation (ACA).

A certificação é a única de gestão de emissões de carbono para aeroportos no mundo, que reconhece e avalia, de forma independente, os esforços para reduzir e gerenciar as emissões.

No Brasil, apenas cinco aeroportos fazem parte do programa, três deles estão no nível “mapeamento”.

Iniciativas a favor do reaproveitamento da água

O aeroporto também coloca em prática ações que contribuem para o uso adequado da água. O sistema de coleta, armazenamento e reaproveitamento de águas pluviais instalado no Terminal de Passageiros 2, por exemplo, captou e reaproveitou 1.015 m³ em 2021.

O volume foi direcionado para reservatórios enterrados e, depois, para o reservatório elevado de água de reuso. Esse recurso foi reutilizado no abastecimento das instalações sanitárias e na reposição de água para o sistema de climatização.

Também no Terminal de Passageiros 2, há um conjunto de sistemas de coleta, armazenamento e reaproveitamento de águas cinzas, que são captadas pelo sistema de redes segregadas, direcionando o efluente para uma estação elevatória e posteriormente para a Estação de Tratamento de Efluentes.

Ao todo, foram captadas 1.337 m³ dessa água em 2021, que também foi reutilizada no abastecimento das instalações sanitárias e reposição de água para o sistema de climatização.

Com a reforma do Terminal de Passageiros 1, em andamento desde o final do ano passado, além de melhorias que refletirão positivamente na experiência de passageiros e visitantes, serão implantados projetos a favor da sustentabilidade.

Com isso, estão previstas as instalações do sistema de coleta de águas pluviais e de armazenamento de águas cinzas.

Economia e eficiência na climatização

Os tanques de termoacumulação do aeroporto, grandes reservatórios verticais instalados próximos às Centrais de Água Gelada (CAGs), em frente ao Terminal de Passageiros 2, contribuem para promover a climatização dos ambientes de forma sustentável.

O uso desses tanques confere ao aeroporto o ganho de eficiência do sistema em até 30% e gera a redução do consumo de energia da CAG no horário de ponta em até 70%, o que faz com que a climatização seja ainda mais econômica e eficiente.

A Central de Água Gelada passou por uma reforma no último ano, o também elevou a eficiência na climatização do lado doméstico do terminal e contribui para que seja gerada economia de cerca de 400 m³ de água por mês.

 

 

Com informações do Aeroporto Int. de Belo Horizonte.