Assim como publicado anteriormente aqui no Portal Aeroflap, a Air New Zealand está com alguns problemas de frota por causa dos Boeing 787, que estão sofrendo com limitações de uso devido aos motores.

E no dia 23 de abril a companhia declarou que precisou “estacionar” duas aeronaves do modelo Boeing 787-9 para manutenção nos motores Trent 1000, visto que uma inspeção recente revelou falhas internas que impedem essas duas aeronaves de voar.

De acordo com a Air New Zealand, essas novas inspeções já foram realizadas depois das recomendações da FAA, e que analisam o nível de desgaste interno dos motores. A companhia disse que esses quatro motores tinha mais de 300 ciclos, e faziam parte de um pacote com outros 9 motores, que já foram inspecionados.

Além dessas duas aeronaves que não podem realizar voos comerciais, a Air New Zealand já tinha anunciado anteriormente uma outra limitação, esta relacionada ao peso máximo de decolagem e que estaria inviabilizando voos sem escalas para o Japão e os Estados Unidos.

Sem esses aviões a Air New Zealand só tem agora 9 aviões 787-9 em sua frota, com possibilidade de uso. As duas aeronaves sem possibilidade de uso passarão por uma manutenção completa nos motores, mas depende da Rolls-Royce fornecer as peças, por isso pode demorar alguns meses até que o reparo seja concluído.

A Air New Zealand já reformulou sua frota e fez alterações em seu cronograma para acomodar as inspeções e restrições operacionais. A companhia espera divulgar mais novidades em breve, mas alguns voos já sofreram reprogramações e cancelamentos.

A companhia está fazendo estudos para substituir os 787 da sua frota temporariamente, assim como a LATAM está fazendo ao alugar aeronaves em regime de Wet Leasing.