No dia 16 de setembro um Airbus A220-300 da Swiss sofreu um incidente durante voo, enquanto estava no regime de subida cumprindo uma rota de Genebra para Londres (voo LX358).

Os pilotos da aeronave reportaram ao controle de tráfego aéreo problemas nos motores PW1524G, com uma falha total de um desses motores, e solicitaram o retorno a origem (Genebra). A aeronave estava a mais de 35000 pés no momento do incidente.

A causa exata do problema está sendo investigada pela equipe de manutenção da Swiss, e também órgãos europeus de segurança da aviação.

A aeronave estava transportando 77 passageiros durante o voo, além de 5 tripulantes.

Recentemente a Pratt & Whitney foi advertida por órgãos de segurança da aviação por problemas nos motores da linha Pure Power.

Uma diretriz aponta o risco de incêndio por vazamento de óleo em motores PW1500G, que equipa a linha A220 da Airbus.

Já outra diretriz solicita a antecipação da inspeção do compressor de alta pressão dos seus motores, de acordo com a fabricante, uma diminuição do limite de durabilidade, calculado por ciclos de uso, foi notada pela empresa.

A grande suspeita é que uma corrosão no compressor de alta pressão, localizado logo antes da câmara de combustão, possa diminuir a durabilidade do motor, como foi descoberto durante uma revisão de rotina.

Em um caso extremo, componentes do compressor de alta pressão podem rachar e causar danos ainda maiores ao motor, com um consequente desligamento do motor durante o voo.

Um A220-300 da Swiss se envolveu em outro incidente recentemente, com o motor falhando e supostamente “expelindo” partes durante o voo do incidente. Investigadores abriram até mesmo um boletim para recuperar as partes expelidas pelo motor, como forma de ajudar a investigação do caso.

No início do ano um A220 da Korean Air também sofreu problemas, com uma falha de motor durante um voo de Busan para Nagoya.

Parte da turbina do motor PW1500G do A220, após uma falha em voo da Korean Air.

A falha foi identificada cerca de 25 minutos após o avião decolar do aeroporto de origem, os pilotos optaram por alterar para Busan, e pousaram de volta no local cerca de 59 minutos após a partida.

 

Com informações de The Aviation Herald.