Como publicado anteriormente pelo Portal Aeroflap, a Airbus anunciou hoje (13), de forma oficial, que adquiriu a participação da Bombardier no Programa do A220, juntamente com ao Governo de Quebec.

A alteração entra em vigor imediatamente, e dá a participação majoritária de 75% para a Airbus, que anteriormente tinha 50,1% do A220. A organização financeira Investissement Quebec aumentou sua participação de aproximadamente 16,66% para 25%.

Com esta transação, a Bombardier receberá uma contraprestação de US$ 591 milhões da Airbus, líquida de ajustes, dos quais US$ 531 milhões foram recebidos no fechamento e US$ 60 milhões a serem pagos no período 2020-21. 

A participação do governo é resgatável pela Airbus em 2026, três anos depois do que antes, ou seja, em seis anos o A220 será 100% da Airbus. Como parte dessa transação, a Airbus, por meio de sua subsidiária integral Stelia Aerospace, também adquiriu os recursos de produção em Quebec.

O mercado de corredor único é um dos principais impulsionadores do crescimento da aviação, representando 70% da futura demanda global de aeronaves. 

Na Bombardier, a alienação de capital para o CSeries (atual A220) provocou uma saída mais ampla da empresa da aviação comercial. Desde então, vendeu o programa turboélice Q400 e os locais de fabricação e serviços aeroespaciais na Irlanda do Norte, Marrocos e Dallas. A Bombardier também está avançando com um acordo para vender seu programa CRJ para a Mitsubishi Heaving Industries.

A empresa diz que pretende se concentrar nos jatos executivos e nos negócios de transporte, que fabricam trens, apesar desse último estar registrando prejuízos. No entanto, a Cessna quer adquirir a linha de jatos executivos, e a Bombardier também está negociando a venda da divisão de trens para a francesa Alstom.


A Bombardier indicou anteriormente que o programa do A220 estava exigindo da empresa recursos adicionais, em um momento que a Airbus deseja ampliar a produção da aeronave nos Estados Unidos e também no Canadá, depois de conseguir uma extensa lista de encomendas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA