Airbus EcoPulse
Foto: Airbus

O demonstrador de aeronaves híbridas de propulsão distribuída EcoPulse – que está sendo desenvolvido por Daher, Safran e Airbus com o apoio do Conselho de Pesquisa de Aviação Civil da França (CORAC) e da Autoridade de Aviação Civil Francesa (DGAC) – concluiu com sucesso os testes de túnel de vento nas instalações da Airbus.

“O demonstrador EcoPulse é parte integrante de nosso roteiro de descarbonização, aumentando nosso conhecimento de sistemas de propulsão distribuída, abrindo caminho para aeronaves elétricas e híbridas-elétricas e livres de emissões.”

“Esses testes em túnel de vento nos permitirão alinhar nossos modelos de simulação com o desempenho real para validar as opções de configuração e tecnologias futuras. Este é mais um marco alcançado com sucesso com nossos parceiros Daher e Safran, mais uma vez destacando que o caminho para emissões zero se beneficiará da experiência colaborativa.” Disse Jean-Brice Dumont, vice-presidente executivo de engenharia da Airbus.

Durante a fase de desenvolvimento de novas configurações de aeronaves, as equipes de engenharia precisam verificar se a estrutura em voo, comportamento e desempenho dos sistemas correspondem aos das simulações de computador. 

Colocando componentes individuais, modelos em pequena escala ou peças inteiras de tamanho real em um túnel de vento, as suposições calculadas anteriormente podem ser validadas.

“Os testes do túnel de vento EcoPulse nos permitiram avaliar as características de desempenho da hélice e do processo de resfriamento do motor elétrico. Para tanto, montamos o motor -fornecido pela Safran-, a nacela do Airbus e a hélice -fornecida pelo DUC Hélices- que serão instalados na própria aeronave demonstradora, no túnel de vento. Em seguida, usamos ventiladores grandes e poderosos para soprar ar (em velocidades diferentes) sobre e ao redor do modelo. Ao fazer isso, pudemos fazer medições reais e capturar dados em tempo real ”, explica Tim Axford, chefe da instalação do túnel de vento da Airbus.

Foto: Airbus

Testando o desempenho da hélice: “Observamos os diferentes níveis de potência e rotações por minuto (RPM) do motor, medindo o empuxo e a força nas hélices. Também observamos a ‘esteira’ da hélice ou fluxo de ar atrás do motor. Isso nos deu um conjunto de dados experimentais para entender melhor a interação entre a hélice e a asa ”, diz Tim.

Conceito de resfriamento do motor elétrico: “Os motores elétricos geram calor durante o funcionamento, exigindo um sistema de resfriamento para reduzir as temperaturas, tanto no solo quanto em vôo. No túnel de vento, medições dedicadas da temperatura do motor e do ar foram registradas para avaliar a eficácia das tecnologias de resfriamento.”

Próximos passos

As observações e dados coletados durante os testes em túnel de vento permitirão à Airbus e seus parceiros estimar melhor o consumo de energia do sistema de propulsão e, consequentemente, o desempenho energético final do demonstrador da aeronave.

“Os números precisos do desempenho da hélice serão levados em consideração para a criação do software Airbus Flight Control Computer, uma das próximas etapas”, diz Matthieu Scherrer, líder do projeto Airbus EcoPulse.

Nos próximos meses, Airbus, Daher e Safran trabalharão para a realização do Critical Design Review (CDR), que dará lugar ao início da produção do demonstrador EcoPulse, antes dos testes em solo no início de 2022. 

Lançado em junho de 2019, o demonstrador EcoPulse está programado para fazer seu primeiro vôo de teste de vôo no verão de 2022.

Sistemas de Propulsão Distribuída

Os sistemas de propulsão distribuída consistem em dividir a geração de empuxo em muitos motores pequenos espalhados ao longo da extensão da asa. Ajustar a configuração de distribuição de energia desta forma pode beneficiar o cruzeiro, bem como o desempenho de decolagem e pouso, mas também as emissões de ruído. 

E por último, mas não menos importante, o uso de empuxo distribuído do motor poderia permitir a redefinição dos conceitos de controle de voo da aeronave.

 

 

Via: Airbus