A Airbus conseguiu atingir o marco de 10 aviões da família A350XWB produzidos em um mês, quase dois anos após a entrega do primeiro avião para a Qatar Airways.

A produção dessa quantia todos os meses não é constante, somente no final do ano a Airbus conseguirá manter essa taxa de produção mensal em todos os meses. De acordo com o diretor financeiro da divisão comercial, Harald Wilhelm, a Airbus ainda está lidando com algumas questões relativas à produção do acabamento interior da aeronave, atrasando um possível crescimento iminente na produção.

Ao mesmo tempo que trabalha para avançar sua produção, a Airbus quer fazer isso sem resultar em custos extras, por isso a fabricante também está com toda essa cautela.

Com mais aeronaves sendo produzidas, as companhias aéreas poderão solicitar mais jatos para renovar rapidamente as suas frotas.

A taxa de produção do A350 na Airbus ainda está pequena, em comparação com o 787 da Boeing. A fabricante americana vai aumentar a produção do 787 Dreamliner para 14 aviões por mês em 2018, como forma de disponibilizar mais aeronaves para renovar o mercado de aviões widebody.

No 1º trimestre de 2018 a Airbus entregou 17 aviões da família A350XWB, ainda com a produção máxima de 8 aeronaves por mês.

 

Linha de produção

A montagem final é feita em hangares diferentes, chamados de “estação” cada um. 

A estação 50 é o primeiro local onde a aeronave começa a ganhar vida, onde as seções da fuselagem são unidas e a estrutura para o trem de pouso é instalada, para permitir uma mobilidade maior dentro do pátio.

Na Estação 40 temos o local onde a empenagem traseira é colocada na aeronave, já com pintura realizada, também é instalado os pilons para os motores e o conjunto com o trem de pouso principal.

A estação 30 realiza a finalização da aeronave antes dela ganhar a pintura, com instalação de motores e sistemas internos, o interior de acordo com a preferência da companhia, os testes em solo e em voo.