AF447 Air France Airbus A330

(Reuters) Em um novo capítulo sobre o acidente com o voo AF447 da Air France, tanto a companhia aérea francesa com a fabricante Airbus serão julgadas por homicídio culposo, quando não há intenção de tirar a vida de outra ou outras pessoas.

Esse novo julgamento acontecerá decorrente de uma decisão do Tribunal de Apelação de Paris na manhã desta quarta-feira(12). Diante da nova decisão, o Tribunal altera uma determinação de 2019 de não processar a Air France e a Airbus pelo acidente que vitimou 228 ocupantes em 2009.

As famílias das vitimas do voo AF447 elogiaram a decisão do Tribunal, já a Air France e a Airbus devem buscar a anulação dessa decisão na Cour de Cassation, que é a mais alta corte de apelação da França.

“A decisão do tribunal que acaba de ser anunciada não reflete de forma alguma as conclusões da investigação”, disse a Airbus em comunicado. 

“A Air France afirma que não cometeu nenhuma culpa criminal na origem deste trágico acidente”, disse a companhia aérea através de um porta-voz.

Nesta nova ação, a promotoria acusa a Air France de não ter treinado seus pilotos de forma adequada. Já para a Airbus a acusação é de que a fabricante por subestimar possíveis problemas relacionados ao congelamento dos sensores de velocidade do Airbus A330.

No relatório sobre o acidente, foram apontados que os pilotos seguiram todas as orientações repassadas nos treinamentos e agiram conforme as informações que tinham no momento. As informações foram transmitidas de forma errônea levam os pilotos a realizar manobras que causaram o estol da aeronave. 

O acidente com o Airbus A330-200 da matrícula F-GZCP da Air France aconteceu em 1º de junho de 2009. A aeronave realizava o voo procedente do Rio de Janeiro para Paris sob a numeração AF447 com 216 passageiros e mais 12 tripulantes, todos os ocupantes do jato perderam suas vidas no acidente.