Um dos caças F/A-18 Hornet que chegaram ontem à Base Aérea de Cold Lake, Alberta, Canadá- Foto: RCAF

(Reuters) A Airbus e a Boeing podem desistir de um processo de licitação para fornecer ao Canadá novos caças porque dizem que a disputa está injustamente direcionada à Lockheed Martin, disseram duas fontes com conhecimento direto da situação na segunda-feira.

As três empresas que competem com o jato F-35 da Lockheed Martin já reclamaram da forma como a disputa está sendo realizada, e expressaram preocupação de que algumas das especificações favorecem claramente a empresa norte-americana, disseram fontes da indústria nas últimas semanas.

Na semana que vem, o governo deve divulgar o chamado pedido de propostas – a lista final de requisitos – para os 88 novos aviões que pretende comprar. O contrato vale entre US $ 11,5 bilhões e C $ 19 bilhões e os aviões devem ser entregues entre 2025 e o início da década de 2030.

Caças F-35A Lighting II Foto- U.s Airforce

A Boeing e a Airbus agora formalmente escreveram para Ottawa expressando preocupação com os requisitos atuais, disseram duas fontes familiarizadas com o assunto, que não quiseram ser identificadas, dada a sensibilidade da situação. O quarto licitante é o Saab AB da Suécia.

Pat Finn, o principal funcionário do Ministério da Defesa encarregado das aquisições, confirmou que uma das quatro empresas enviou uma carta formal, mas não deu detalhes. A solicitação final de propostas deve sair em 17 de julho e as modificações ainda estão sendo consideradas, disse ele.

“Continuamos a engajar todos os quatro”, disse ele em entrevista por telefone. “Nós tivemos alguns comentários (como) ‘Se mudanças não forem feitas em tal lugar, nós francamente consideraríamos possivelmente não fazer lances”.