Quando o Centro de Montagem final da Airbus na China teve um projeto de expansão anunciado, os executivos da companhia anunciaram previamente um acordo com o governo local para o fornecimento de aviões para diversas companhias aéreas do país.

E em uma informação divulgada nesta semana parece que o acordo está próximo de ser fechado, e pode ter o valor de US$ 18 bilhões. A finalidade é encomendar cerca de 180 aeronaves da família A320neo para as companhias aéreas do país, todas fabricadas a partir do Centro de Montagem Final, que funciona em parceria com a AVIC, outra empresa chinesa.

Isso é em parte uma comemoração aos 10 anos de presença da empresa no país, montando aeronaves, mas também é uma porta aberta para garantir a produção de 8 aeronaves por mês, atualmente o local só produz 4 aviões por mês.

Todas as encomendas praticamente já tiveram sua intenção de compra, em janeiro de 2018 a Airbus incluiu na sua lista de encomendas uma intenção de compra para 180 aviões, partindo de clientes que preferiram ficar ocultos.

Para os analistas de mercado, a China fez isso para anunciar a grande encomenda no Show Aéreo de Zhuhai, no sul da China, e também no China International Import Expo, em Xangai, a partir do dia 5 de novembro. É uma forma de demonstrar o poder de compra do país no mercado internacional.

Enquanto isso Guillaume Faury, presidente da divisão de aeronaves comerciais da Airbus, está em uma viagem para a China, onde vai participar da comemoração dos 10 anos da linha de montagem. Reuniões com setores de aviação do Governo Chinês estão na agenda dele, mas os assuntos abordados não foram divulgados.

Além disso esse acordo pode ser uma aviso de Xi Jinping sobre as indústrias norte-americanas, notavelmente julgando que um acordo com a Boeing teria limitações por parte do Governo norte-americano, que ultimamente taxou em 25% vários produtos chineses.