Airbus já registra prejuízo de 2,6 bilhões de euros em 2020

Airbus
A Airbus apresentou hoje (29/10) os seus resultados financeiros consolidados para os nove últimos meses, até a data de 30 de setembro de 2020.
 
Os pedidos líquidos de aeronaves comerciais totalizaram 300 aviões, contra 127 no mesmo período de 2019, com a carteira de pedidos compreendendo 7441 aeronaves comerciais em 30 de setembro de 2020.
 
A Airbus Helicopters registrou 143 pedidos líquidos (nos primeiros 9 meses de 2019: 173 unidades), incluindo 8 H160 e 1 H215 durante o terceiro trimestre. A entrada de pedidos da Airbus Defense and Space aumentou para € 8,2 bilhões, com o terceiro trimestre incluindo um A330 MRTT adicional, bem como ganhos de contratos em satélites de telecomunicações.
 
A Receita consolidadas diminuiu para € 30,2 bilhões (nos primeiros 9 meses de 2019: € ​​46,2 bilhões), impulsionada pelo difícil ambiente de mercado que afeta o negócio de aeronaves comerciais com cerca de 40% menos entregas ano a ano. Um total de 341 aeronaves comerciais foram entregues (nos primeiros 9 meses de 2019: 571 aeronaves), compreendendo 18 A220s, 282 Família A320, 9 A330s e 32 A350s. Durante o terceiro trimestre de 2020, um total de 145 aeronaves comerciais foram entregues, incluindo 57 entregas em setembro. 
A Airbus Helicopters relatou receitas amplamente estáveis, refletindo entregas mais baixas de 169 unidades (9m 2019: 209 unidades) parcialmente compensadas por serviços mais elevados. As receitas da Airbus Defense and Space refletiram principalmente os menores volumes nos Sistemas Espaciais e para o A400M, bem como o impacto do COVID-19 nas fases dos negócios.
 

EBIT Consolidado Ajustado – uma medida de desempenho alternativa e indicador chave que captura a margem de negócios subjacente, excluindo encargos materiais ou lucros causados ​​por movimentos nas provisões relacionadas a programas, reestruturação ou impactos cambiais, bem como ganhos / perdas de capital da alienação e aquisição de empresas – totalizou € -125 milhões (nos primeiros 9 meses de 2019: € ​​4.133 milhões).

O EBIT Ajustado da Airbus de € -641 milhões (nos primeiros 9 meses de 2019: € ​​3.593 milhões (1)) refletiu principalmente a redução nas entregas de aeronaves comerciais e a menor eficiência de custos. Também incluiu € -1,0 mil milhões de encargos relacionados com COVID-19. As medidas necessárias foram tomadas para adaptar a estrutura de custos aos novos níveis de produção e os benefícios vão se materializando à medida que o plano é executado. No final de setembro, o número de aeronaves comerciais que não puderam ser entregues devido ao COVID-19 havia reduzido para cerca de 135.

O EBIT Ajustado da Airbus Helicopters aumentou para € 238 milhões (nos primeiros 9 meses de 2019: € ​​205 milhões), refletindo uma combinação favorável, serviços mais elevados, uma contribuição positiva da execução do programa, bem como menores despesas com Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). Durante o terceiro trimestre, o primeiro helicóptero H145 de cinco pás foi entregue após a certificação pela Agência de Segurança da Aviação da União Europeia no segundo trimestre.

O EBIT ajustado na Airbus Defense and Space diminuiu para € 266 milhões (nos primeiros 9 meses de 2019: € ​​355 milhões), refletindo principalmente o menor volume em Sistemas Espaciais, especialmente no negócio de lançadores devido ao impacto de COVID-19, parcialmente compensado por medidas de redução de custos. O plano de reestruturação da Divisão atualizado no primeiro semestre de 2020 está em andamento e as negociações com os parceiros sociais estão em andamento. A provisão relacionada foi registrada no terceiro trimestre como parte dos ajustes do EBIT.

As despesas de P&D autofinanciadas consolidadas totalizaram € 2.032 milhões (nos primeiros 9 meses de 2019: € ​​2.150 milhões).

EBIT consolidado (reportado) foi de € -2.185 milhões (nos primeiros 9 meses de 2019: € ​​3.431 milhões), incluindo ajustes totalizando € -2.060 milhões líquidos. Esses ajustes compreenderam:

  • € -1.200 milhões registrados no terceiro trimestre relacionados ao plano de reestruturação de toda a empresa, dos quais € -981 milhões foram para a Airbus e € -219 milhões para a Airbus Defense and Space. O valor leva em consideração medidas de apoio do governo. Reflete o estado mais recente das negociações com os parceiros sociais e, portanto, pode ser reavaliado;
  • € -358 milhões relacionados ao custo do programa do A380, dos quais € -26 milhões foram no terceiro trimestre;
  • € -374 milhões relativos ao descasamento do pagamento de pré-entrega em dólares e avaliação do balanço, dos quais € -209 milhões no terceiro trimestre;
  • € -128 milhões de outros custos incluindo conformidade, dos quais € -11 milhões foram no terceiro trimestre.

prejuízo consolidado reportado por ação de € -3,43 (lucro por ação nos 9 meses de 2019: € ​​2,81) inclui o resultado financeiro de € -712 milhões (9 meses de 2019: € ​​-233 milhões). O resultado financeiro reflete principalmente € -291 milhões líquidos relacionados aos instrumentos financeiros da Dassault Aviation, bem como uma reavaliação do Investimento de Lançamento Reembolsável (RLI) de € -236 milhões, principalmente da alteração dos contratos da França e da Espanha ao que o World Trade. O prejuízo líquido consolidado foi de € -2,686 bilhões (lucro líquido dos 9 meses de 2019: € ​​2,186 bilhões).


fluxo de caixa livre consolidado antes de M&A e financiamento de clientes totalizou € -11,798 milhões (9m 2019: € ​​-4,937 milhões), dos quais € +0,6 bilhões no terceiro trimestre. O desempenho do fluxo de caixa livre do terceiro trimestre de 2020 reflete o nível mais alto de entregas em comparação com o trimestre anterior, os esforços de contenção de caixa e o forte foco na gestão do capital de giro. 

O dispêndio de capital no período de nove meses foi de cerca de € 1,2 bilhão, queda de cerca de € 0,3 bilhão em relação ao ano anterior, impulsionado por uma redução nos gastos no terceiro trimestre em linha com os esforços de contenção de caixa da empresa. O fluxo de caixa livre consolidado foi de € -12,276 milhões (9 meses de 2019: € ​​-5,127 milhões). A posição de dívida líquida consolidada era de € -242 milhões em 30 de setembro de 2020 (posição de caixa líquido no final do ano de 2019: € ​​12,5 bilhões) com uma posição de caixa bruto de € 18,1 bilhões (final do ano de 2019: € ​​22,7 bilhões).

“Após nove meses de 2020, vemos agora o progresso feito na adaptação de nosso negócio ao novo ambiente de mercado COVID-19. Apesar da recuperação mais lenta das viagens aéreas do que o previsto, convergimos a produção e as entregas de aeronaves comerciais no terceiro trimestre e interrompemos o consumo de caixa em linha com nossa ambição”, disse o CEO da Airbus, Guillaume Faury. “Além disso, a provisão para reestruturação registrada mostra que nossas discussões com parceiros sociais e partes interessadas avançaram bem. Nossa capacidade de estabilizar o fluxo de caixa no trimestre nos dá confiança para emitir uma orientação de fluxo de caixa livre para o quarto trimestre.”

 

DEIXE UMA RESPOSTA