Nesta sexta-feira a Qantas inicia seus testes no “Project Sunrise”, mas todo esse projeto está com vários planejamentos de “backstage”.

Nesse planejamento está uma negociação da Qantas com a Airbus, para criar uma aeronave de maior alcance, que possibilite o voo sem escalas entre a costa leste dos EUA até Sydney, na Austrália. Isso com todos os passageiros a bordo.

A Airbus disse à FlightGlobal que está liderando sua oferta com o A350-1000, que, segundo ele, teria um alcance de 16110 km com uma carga típica de transporte de 375 passageiros.

Atualmente, nove variantes de peso do A350-1000 estão disponíveis, incluindo duas com o maior peso máximo de decolagem de 316t, o que confere à aeronave um alcance de cerca de 15550 km com 366 passageiros.

O estudo dessa versão com MTOW ampliado está sendo conduzido juntamente à Qantas, que tem interesse em ter essa versão disponível já em 2020.

A faixa de 8700nm citada pela Airbus é aproximadamente a grande distância entre Nova York e Sydney, mas menor que os 9200nm do voo Londres-Sydney.

A Airbus não indicou a extensão de quaisquer restrições ou modificações que seriam necessárias para o A350-1000 atender aos critérios do Project Sunrise, e ainda não confirmou o MTOW da variante candidata, mas estima-se que é uma nova versão com 319 toneladas de Peso Máximo de Decolagem.


Enquanto isso, a Qantas coloca em risco sua preferência pelo Boeing 777-8, que a fabricante norte-americana até arquivou o projeto da aeronave recentemente. A Airbus aproveita para dizer que vai cumprir os requisitos do projeto, distanciando das limitações de carga e passageiros do A350-900ULR.

 

Via – FlightGlobal