Antes da Airbus lançar o A300-600 Super Transport em 1995, ou Beluga ST, havia um aforismo do setor que provavelmente ressoava em Seattle, todo Airbus tinha seu primeiro voo em uma asa da Boeing.

O Aero Spacelines Super Guppy, usado pela Airbus por mais de 20 anos para transportar conjuntos de aeronaves entre seus locais de produção em toda a Europa, foi baseado em um avião à hélice da década de 1940 fabricado pela Boeing, o 377 Stratocruiser.

Em 1997, a Airbus retirou o último de seus quatro Super Guppies, embora um deles ainda funcione hoje para a NASA nos EUA. 

Desde então, cinco A300-600STs foram construídos para transportar seções de fuselagem para as linhas de montagem da Airbus em Toulouse e Hamburgo a partir de instalações de produção na França, Alemanha, Espanha e Reino Unido.

O primeiro BelugaXL um substituto baseado no A330 para o A300-600ST, entrou em serviço em janeiro de 2020. A Airbus diz que um quarto avião BelugaXL, formalmente designado A330-700L, está atualmente em produção em Toulouse. A Airbus planeja operar seis aviões BelugaXL até o final de 2023, e começar a eliminar o A300-600ST a partir de 2021.

Enquanto aumenta a carga útil disponível de seu antecessor em apenas 4t, para 51t, o BelugaXL fornece cerca de 30% mais capacidade em volume, e é capaz de transportar duas asas do A350, onde o A330-600ST tinha capacidade para apenas uma. Essa foi a principal razão do desenvolvimento da nova aeronave.

As asas para toda a família de aeronaves comerciais da Airbus, exceto o A220, são fabricadas em suas instalações no Reino Unido em Broughton, perto de Chester. 

O local produz asas completas da família A320 e A380, enquanto as asas dos A330 e A350 são transportadas do local para a cidade alemã de Bremen, para instalação de sistemas antes da entrega na linha de montagem final em Toulouse.

Os Belugas transportam seções da estrutura das instalações da Airbus na França, Alemanha, Espanha e Reino Unido para as linhas de montagem de aeronaves comerciais em Toulouse e Hamburgo e para a linha de montagem A400M em Sevilha. O destino mais distante da rede é Ankara, capital turca, onde são recolhidos os componentes do A400M.

Os componentes das linhas de montagem final da família A320 da Airbus em Mobile, EUA, e na cidade chinesa de Tianjin são transportados da Europa por mar, diz Tahiri.

Em 2019, a Airbus abriu em Toulouse uma nova instalação para descarregar e carregar dois Belugas de uma só vez, tendo operado anteriormente em uma instalação de uma baía. É a única doca de carregamento de dois compartimentos na rede da Airbus, aponta Tahiri. 

Foto: Michael Gubisch / Cirium

As docas incluem totalmente a seção dianteira do Beluga com portas de hangar especialmente adaptadas para acomodar o formato da fuselagem do transporte externo. Isso permite a abertura da grande porta de carga e o carregamento da aeronave em condições climáticas adversas.

Enquanto o carregamento ao ar livre de um Beluga é limitado a velocidades de vento de 25 kt, Tahiri diz que o novo cais em Toulouse pode ser usado com velocidades de vento de até 42 kt, aguentando as mais severas tempestades.

Uma vantagem adicional é que o Belugas pode ser revertido em 1h 20min, enquanto o carregamento ao ar livre requer 2h 30min, diz Tahiri. A aeronave também pode ser abastecida durante o processo de carregamento.

As duas docas de Toulouse estão equipadas com um sistema automatizado de carga roll-on/roll-off que pode receber a carga do primeiro voo, enquanto as remessas para o próximo estão prontas para o carregamento.

Para o carregamento, a aeronave é levantada com um macaco central acoplado à popa do cockpit. O convés de carga do Beluga é ajustado à rampa de carga de altura fixa do edifício através de um procedimento de alinhamento baseado em laser.

Os aviões Beluga geralmente não transportam seções de estruturas saindo de Toulouse, pois o local é focado na montagem final e não na produção de componentes.

No entanto, os Belugas de saída de Toulouse normalmente transportam gabaritos. Tahiri estima que apenas cerca de 5% dos voos da Beluga não transportam carga, ou seja, dificilmente a Airbus “toma prejuízo” com o Beluga, fazendo voos de transferência de base.

 

Com informações de FlightGlobal.

Texto por Aeroflap.

DEIXE UMA RESPOSTA