A Airbus anunciou hoje (15/01), através do diretor da parte de aviação comercial da empresa, John Leahy, que a Airbus pode suspender a produção do A380 nos próximos anos se não receber mais encomendas para a aeronave.

John Leahy citou a Emirates como a única companhia que pode aumentar o número de encomendas da aeronave nos próximos meses, e aceitar receber cerca de 6 aviões por ano  durante os próximos 8 anos.

“Ainda estamos negociando com a Emirates, mas, honestamente, eles são provavelmente os únicos hoje no mercado que podem comprar um mínimo de seis (aviões) por ano em um período de oito a dez anos”, disse John Leahy.

A Emirates é a maior cliente do A380, com mais de 100 aeronaves desse tipo em sua frota. Foto – Emirates/Divulgação

De acordo com a lista de pedidos da Airbus, ainda há 100 aviões encomendados pelas companhias aéreas, para entregar nos próximos anos, porém a Emirates é responsável por 41 dessas aeronaves encomendadas. A Airbus já produziu e entregou 216 unidades do A380.

Anteriormente a Airbus já tinha anunciado que diminuiria a produção do A380 para 8 aeronaves ao ano a partir de 2019, praticamente meia aeronave produzida por mês. Em 2015 a Airbus produziu 27 unidades do A380, porém em 2018 só vai produzir 12 unidades da aeronave, depois de registrar um novo corte em 2017 ao produzir e entregar somente 15 aviões do modelo A380.

O A380 vem enfrentando uma época de poucas encomendas, devido ao desinteresse das companhias aéreas por uma aeronave com quatro motores.

Recentemente a Malaysia Airlines disse que estaria repassando os seus A380 para fazer voos em uma subsidiária dedicada à peregrinação religiosa, pouco depois a companhia desistiu da ideia, devido à dificuldade de execução, e anunciou a volta dos voos com o A380, mas com uma nova configuração de interior.

A380 da Singapore logo após sair da linha de produção. Foto – Airbus

Já a Singapore Airlines não negociou, realmente aposentou os 5 primeiros Airbus A380 da sua frota, o primeiro já foi para um local de estocagem na França. Se nenhuma companhia se interessar pelas aeronaves o destino delas será o desmanche, para a venda de peças usadas. Em contrapartida a companhia está recebendo novos A380 em sua frota.