Alaska Airlines EUA Voos
Foto - Divulgação/Alaska

A companhia aérea americana Alaska Airlines foi condenada a pagar US$ 3 milhões por conta do óbito de uma passageira com deficiência física que veio a óbito. O caso teve o veredicto final dado pelo Tribunal Superior do Condado de King em Washington, após 3 anos do ocorrido.

O Tribunal avaliou as circunstâncias e disse que a maior parte da culpa pelo óbito da passageira Sra. Bernice Kekona foi da Alaska Airlines. A companhia foi ordenada a pagar o valor estipulado pelo Tribunal e provavelmente a empresa não terá mais recurso para reverter a situação.

Entenda o caso

Segundo o site Valdosta Daily Times, em 2017 a passageira Sra. Bernice Kekona de 75 anos, tinha deficiência física e a família solicitou junto a companhia aérea um auxilio para embarcar e desembarcar. O voo em questão sairia do Havaí para Washington com conexão em Portland, uma das principais bases da Alaska Airlines.

Foram feitas 5 confirmações junto a empresa de que a Sra. Bernice precisava de ajuda com a transferência da cadeira de rodas para a aeronave e vice-versa. Sem o auxilio de nenhum funcionário da companhia aérea, a Sra. Bernice seguiu até o seu embarque sozinha com sua cadeira de rodas.

Ao tentar descer em uma escada rolante no Aeroporto de Portland, a Sra. Bernice acabou caindo na escada, cerca de 21 degraus. Sofreu traumas graves na cabeça e no tórax e uma lesão no tendão de Aquiles. 

A passageira teve de amputar uma das pernas e não resistiu aos ferimentos cerca de 3 meses depois do acidente. 

Bernice Kekona foi vítima de uma trágica falha do Alasca em fornecer serviços básicos entre seus voos. O Alasca falhou miseravelmente com Bernice, e a empresa continuou a manejar o sistema legal como uma arma para culpar Bernice, fugir da responsabilidade e minar sua família em luto das formas mais dolorosas.” Disse Robert Gellatly, representante do Tribunal Superior do Condado de King.

O Advogado da família da Sra. Bernice também respondeu sobre a determinação do Tribunal.

“ Os consumidores de passageiros confiam que as companhias aéreas fornecerão serviços básicos de acordo com os regulamentos de segurança, e o Alasca realmente acertou em cheio ao tomar medidas simples para garantir o bem-estar da Sra. Kekona. Estamos honrados em ajudar a responsabilizar a companhia aérea e garantir a segurança de outros passageiros.” Disse Brook Cunningham.