Airbus A380

(Reuters) – A Alemanha está negociando com a Airbus cerca de 600 milhões de euros (US$ 680,10 milhões) em empréstimos concedidos para o desenvolvimento do superjumbo A380 no início da última década, de acordo com um comunicado do Governo de Berlim nesta segunda-feira.

Os empréstimos estão no centro de uma longa disputa comercial sobre reivindicações mútuas de subsídios ilegais de aeronaves entre a União Européia e os Estados Unidos.

Uma porta-voz do Ministério da Economia da Alemanha confirmou o valor dos empréstimos em aberto, reportados pela primeira vez pela cadeia de jornais Funke Mediengruppe, mas disse que é prematuro discutir como a questão será resolvida.

“Estamos analisando as consequências e discutindo a questão com a empresa”, disse ela.

A Airbus informou no mês passado que a linha de produção do maior avião de passageiros do mundo fechará prematuramente a partir de 2021, após apenas 14 anos de serviço, porque os clientes preferiam jatos menores.

A Airbus afirma que não precisaria mais pagar quaisquer empréstimos estaduais pendentes e relativos ao A380, porque os governos haviam concordado em compartilhar o risco de desenvolver o avião, algo que custou aproximadamente US$ 15 bilhões.

Os empréstimos são parte de uma prática de apoio ao desenvolvimento estendida à Airbus pela França, Alemanha, Grã-Bretanha e Espanha, com a França e a Alemanha representando a maior fatia do montante.


A Organização Mundial do Comércio (OMC) determinou que os empréstimos deram à Airbus uma vantagem subsidiada.

As duas partes estão discutindo até que ponto a disputa comercial de 15 anos de idade – a maior já enfrentada pela OMC – deve levar a sanções.

Fontes européias argumentam que os subsídios do A380 na prática não existem mais,  porque a aeronave foi retirada do mercado e que os empréstimos não devem, portanto, desencadear sanções.

No entanto, os Estados Unidos afirmam que os subsídios, sob a forma de empréstimos do governo, pagos para desenvolver o A380 já causaram perdas irreparáveis ​​à Boeing e que as sanções permanecem justificadas.

Berlim emprestou inicialmente à Airbus 942 milhões de euros em 2002 para o desenvolvimento do A380, dos quais apenas um terço foi pago, informou o grupo Funke Mediengruppe.

A Airbus se recusou a dizer quanto dinheiro ainda deve ser pago no total relativo ao A380, mas a Reuters informou no mês passado que a Airbus ainda devia cerca de US$ 1 bilhão desde o processo de desenvolvimento do A380.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA