A American Airlines disse que ainda está negociando um acordo de compensação com a Boeing para minimizar os custos de paralisação do 737 MAX, que gerou milhares de voos cancelados para a companhia.

Ao mesmo tempo a American Airlines espera compartilhar o valor da compensação com seus funcionários. Até o momento a companhia norte-americana, a maior do planeta, teve um prejuízo de US$ 540 milhões ao manter sua frota de 24 aeronaves paralisada, além de não poder expandir a mesma visto que a Boeing está sem entregar o 737 MAX desde março de 2019.

“Atualmente, estamos conversando com a Boeing sobre como é essa compensação”, disse o porta-voz Russ Feinstein ao FlightGlobal em 2 de janeiro. “Prevemos que parte de qualquer remuneração que a American receber seja elegível para participação nos lucros de nossa equipe. As conversas com a Boeing ainda estão em andamento e compartilharemos mais detalhes assim que forem resolvidos. ”

No início desta semana, a Turkish Airlines confirmou que “chegou a um acordo” com a Boeing no que diz respeito à “compensação por certas perdas” causadas pela paralisação e não entrega de aeronaves 737 MAX.

A Boeing também concordou em compensar financeiramente a Southwest Airlines por uma parte dos prejuízos financeiros projetados pela empresa, e a companhia aérea com sede em Dallas também disse que pretende compartilhar aproximadamente US$ 125 milhões da indenização que receberá com seus funcionários, na forma de participação nos lucros.

A FAA não indicou quando poderia recertificar a aeronave, dizendo repetidamente que não concederá uma nova certificação até o provar que o 737 MAX é uma aeronave segura.

 

Via – FlightGlobal