American Airlines vai distribuir aos funcionários US$ 30 milhões em compensações do 737 MAX

Foto - American Airlines/Handout via REUTERS

A American Airlines compartilhou com sua equipe de funcionários que a empresa chegou a um acordo confidencial com a Boeing sobre a compensação por danos financeiros incorridos em 2019, devido à paralisação dos voos com a aeronave Boeing 737 MAX.

Até o momento a companhia norte-americana, a maior do planeta, teve um prejuízo de US$ 540 milhões ao manter sua frota de 24 aeronaves paralisada, além de não poder expandir a mesma visto que a Boeing está sem entregar o 737 MAX desde março de 2019.

O valor que a American Airlines deve receber da Boeing não foi divulgado, mas a companhia declarou que vai distribuir US$ 30 milhões para os seus funcionários, como parte do programa de participação de lucros, a ser distribuído e depositado em março deste ano, e que remetem aos resultados financeiros de 2019.

“Apesar dos desafios constantes que a base trouxe, os membros da equipe da American Airlines continuam fazendo um trabalho incrível cuidando de nossos clientes”, disse o presidente e CEO da American, Doug Parker, elogiando os funcionários da companhia.

Atualmente, a American não espera que nenhum impacto financeiro relevante do contrato seja realizado nos lucros do quarto trimestre de 2019.

“A empresa prevê contabilizar substancialmente toda a compensação como uma redução no custo de aeronaves MAX aterradas e em determinadas entregas futuras de aeronaves 737 MAX”, disse a American Airlines em nota oficial.

Essa última posição da American Airlines pode indicar que a companhia optou por um desconto na sua encomenda para mais de 200 aviões Boeing 737 MAX, como forma de compensação por deixar de usar seus atuais 24 aviões, bem como não receber novas aeronaves, limitando o crescimento da empresa.


A American indicou que essa compensação negociada é relativa ao ano de 2019. À medida que o 737 MAX continua impossibilitado de voar ao longo de 2020, a American pode negociar mais compensações por parte da Boeing.

 

DEIXE UMA RESPOSTA