Anac abre investigação sobre voo de drone de pizzaria em São Paulo

A rede americana de pizzaria Domino’s utilizou um drone para erguer um cartaz em uma área da cidade de São Paulo, chamando atenção da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e que está investigando o uso deste tipo de aeronave justamente em uma região de restrição de voo.

O aplicativo de entregas iFood, já testou a entrega de pedidos com drones, mas a pizzaria utilizou a aeronave não tripulada para fazer propaganda da própria marca, oferecendo um cupom de desconto que era visto pelas pessoas que estavam nas ruas e nas sacadas dos prédios.

Em um vídeo divulgado pela própria rede, um drone parecido com um Phantom 3 Standard é exibido com a faixa.

Em comunicado para a imprensa, a Anac diz que recebeu uma denúncia e já está investigando se todas as regras de voo foram obedecidas, inclusive a que restringe a operação dos drones no bairro de Pinheiros, que está visível até mesmo no aplicativo que controla os aparelhos da DJI.

Além do próprio alerta da fabricante do drone, que limita a altitude de voo para 60 ou 150 metros, dependendo da área do bairro de Pinheiros, toda a região do bairro e seus vizinhos estão em uma região de tráfego controlado do Aeroporto de Congonhas, conhecida como CTR.

Este local, que na cidade de São Paulo existe nas proximidades de Congonhas, é utilizado por aviões para manobras diversas como aproximação e decolagem.

O voo de um drone dentro desta área não é proibido, mas depende de autorização da ANAC. No caso do Phantom 3 Standard utilizado na ação, o drone se encaixa na classe 3 da Anac, que comporta aeronaves não tripuladas que decolam entre 250 gramas e 25 quilos, o que inclui todo o drone (aeronave, bateria, cartão de memória…) e sua carga no momento da decolagem – o cartaz está na somatória deste peso total.


A ANAC, neste caso, exige registro do drone e todo voo feito acima de 120 metros de altitude precisa de o projeto aprovado pela agência.

 

Fonte: Tecnoblog

DEIXE UMA RESPOSTA