MiG-29 Low Polônia
MiG-29 Fulcrum da Força Aérea Polonesa. Foto: Tim Felce via Wikimedia (CC BY-SA 2.0)

Os EUA ainda negociam a transferência de caças MiG-29 da Polônia para a Ucrânia. O país, junto da Bulgária e Eslováquia, segue negando o envio dos caças à Força Aérea Ucraniana (UAF), mesmo após os pedidos do presidente Volodymyr Zelensky. 

Falando à rede de TV CBS, o Secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse que os EUA estão em conversas com a Polônia e que países da OTAN receberam “luz verde” para o envio de aviões de caça aos ucranianos. 

Blinken disse que as negociações entre os dois países tem atenção especial para como a Polônia substituiria os jatos doados, potencialmente por caças americanos. Washington iria repassar caças F-16 à Força Aérea Polonesa, que já opera o modelo. 

“Estamos trabalhando com a Polônia enquanto conversamos para ver se podemos preencher qualquer coisa que eles forneçam aos ucranianos”, disse Blinken em entrevista 

“Nós os apoiamos muito, fornecendo MiGs, Sus [Sukhois], aviões que os ucranianos podem voar, para os ucranianos. Mas também queremos ver se podemos ser úteis para garantir que, seja o que for que eles forneçam aos ucranianos, algo vá para eles para compensar qualquer lacuna na segurança da Polônia que possa resultar. Estamos falando ativamente sobre isso agora.”

Atualmente, a Força Aérea Polonesa possui 48 caças F-16C/D Fighting Falcon Block 52 e 28 caças MiG-29/MiG-29UB Fulcrum, adquiridos da Alemanha após a reunificação do país. Apesar de antigos, os aviões de origem soviética passaram por atualizações. A Polônia também opera 32 unidades do jato de ataque Sukhoi Su-22 Fitter. 

Su-22 Polônia
Sukhoi Su-22 Fitter polonês. Foto: aceebee via Wikimedia (CC BY-SA 2.0)

Uma das questões a serem resolvidas é de onde os caças operariam se realmente fossem transferidos à Ucrânia. A UAF está operando de forma limitada, já que suas bases foram e ainda são alvos prioritários dos russos.

Permitir que a força aérea do país invadido opere a partir da Polônia ou em outros países vizinhos seria uma escalada e a Rússia já afirmou que esta ação seria vista como um envolvimento direto da OTAN. Dessa forma, a guerra se estenderia além das fronteiras da Ucrânia para o restante da Europa. 

F-16 C Polônia
F-16C Fighting Falcon da Força Aérea Polonesa. Foto: Staff Sgt. Jonathan Snyder/USAF.

Apesar dos comentários de Blinken, que se reuniu com o primeiro-ministro da Polônia Mateusz Morawiecki no último sábado, Varsóvia segue negando o envio dos caças ao país vizinho. 

Ainda no domingo (06), a Chancelaria do Primeiro Ministro disse que não vai transferir caças aos ucranianos, nem permitir o uso de seus aeroportos. No entanto, o órgão reforça que a Polônia segue apoiando a Ucrânia “em várias outras áreas.”