Em junho 2018 uma reunião do G-20 será realizada em Buenos Aires, e para garantir a segurança desse importante evento diplomático a Argentina pode alugar caças do Brasil.

Tudo isso ocorre pois o país não tem vetores capazes de voar em velocidade supersônica desde 2015, quando o Mirage III foi aposentado, sendo que o Brasil atualmente tem o F-5M, que não está entre os melhores caças do continente latino-americano mas cumpre requisitos de defesa aérea moderna.

O aluguel de caças F-5M do Brasil temporariamente também não seria junto com os pilotos brasileiros, já habilitados para missões de combate aéreo com a aeronave.

O assunto foi abordado em conjunto através de uma visita do comandante da Força Aérea Brasileira, Nivaldo Rossato, em Bariloche no dia 5 de agosto. Quem levantou essa possibilidade foi o General de Brigada da Argentina, Enrique Amrein.

“Sem interceptadores, não estamos em condições de repelir uma agressão por meios aéreos. O G-20 é um desafio, será evidente que não podemos cumprir nossa responsabilidade institucional. É por isso que a alternativa F-5 está sendo avaliada”, disse a FAA para o Jornal Clárin.

A Força Aérea da Argentina ainda espera conseguir ativar 8 aviões Super Étendard até 2018, através de um investimento da Marinha, essas aeronaves seriam transferidas diretamente para a FAA temporariamente. Atualmente só há um Super Étendard ativo na Marinha da Argentina.

Caso a Argentina resolva alugar temporariamente os vetores aéreos, a quantidade não passaria de quatro F-5M.

De qualquer modo todos sabem que haverá segurança aérea em território argentino durante a reunião do G-20, visto que países como os Estados Unidos levam sua própria força de defesa em reuniões importantes, com caças, aviões de reabastecimento aéreo (KCs) e transportadores de cargas (cargueiros).