Durante o Paris Air Show de 2017 a Boeing teve uma ampla atuação com vários lançamentos, encomendas e até mesmo a apresentação de um novo conceito. O evento se destaca por ser um dos mais importantes do mundo no setor de aviação, com a presença de várias fabricantes do setor aeronáutico e espacial, além de companhias aéreas interessadas em novas tecnologias.

A baixo listamos os maiores destaques da Boeing durante o Paris Air Show 2017, seguido por uma postagem citando também os destaques da Airbus no mesmo evento.

 

Lançamentos

Com certeza o Paris Air Show 2017 foi marcado pelo lançamento do 737 MAX 10, a maior versão da família 737 construída até hoje. Nós da Aeroflap acompanhamos cada momento, inclusive quando a Boeing afirmou que pretendia anunciar sua nova aeronave já nas primeiras horas de evento.

Então nas primeiras horas de segunda-feira (19/06) a Boeing já encaminhava seu tradicional release em inglês para a imprensa, enquanto o evento acontecia em Toulouse, com os detalhes finais do 737 MAX 10 divulgados naquele momento. A emoção até chegou em nossa equipe, o evento que nós estávamos participando já começou bem, com o lançamento de uma aeronave, assim como a Boeing fez em 2011, mas naquela época o lançamento não foi realizado durante um evento de aviação.

O 737 MAX 10 tem 1,68 metros a mais do que o MAX 9, suportando 10 assentos a mais, totalizando 230 passageiros em sua capacidade máxima. A Boeing também realizou uma alteração nas saídas de emergência, para garantir a certificação de segurança da aeronave, além de alterar o desenho da asa para reduzir o arrasto em baixa velocidade, e assim garantir melhor desempenho de pouso e decolagem.

Lançar o 737 MAX 10 durante um evento de aviação que reúne várias fabricantes e companhias aéreas foi uma decisão acertada, visto que só no ato de lançar a Boeing conseguiu reunir 240 encomendas de 10 clientes.

 

O projeto NMA – O maior problema da Boeing está sendo competir com o A321neo atualmente, que já acumula 1416 encomendas atualmente, enquanto o 737 MAX 9 juntamente com o MAX 10 só acumulam cerca de 500 aeronaves. Dois problemas estão inclusos, o A321neo tem maior capacidade de passageiros e também autonomia, em comparação com as duas aeronaves citadas anteriormente.

A regra é clara, as companhias que utilizam o 757 e também o 767-200 precisam de novas aeronaves do mesmo tipo, visto que a frota está envelhecendo. E as companhias que utilizam o A321ceo precisam de um avião com maior alcance. É com esse sentido que a Boeing apresentou durante o Paris Air Show os primeiros conceitos do NMA, uma aeronave de médio porte com autonomia estendida e mesma capacidade aeroportuária da família 737 MAX.

A nova aeronave middle-of-the-market (MOM) da Boeing, chamada por enquanto de 797, terá uma capacidade para transportar de 200 a 270 passageiros com divisão de dois corredores, sendo mais leve que o Boeing 787, com um alcance na faixa de 7200 km a 9600 km.

Primeira foto do Boeing NMA, revelado em uma apresentação oficial.

Mike Delaney, vice-presidente de desenvolvimento de aviões da Boeing, relatou para a CNN que uma companhia aérea estimou que o novo avião da Boeing poderia reduzir os custos de voo em até 45%, quando comparado ao A330neo da Airbus.

O novo avião usará algumas tecnologias do Boeing 777X, como a asa dobrável com estrutura em material composto. A fuselagem também incorpora um conceito novo para esse mercado atingido pelo Boeing 797, ela será oval, para alívio de peso e ampliação do espaço interno, assim é possível colocar uma configuração de 7 assentos por fileira sem ter o mesmo peso do 787. A Boeing chama esse conceito de fuselagem híbrida.

 

Exposição e demonstração

Foto – Agence France-Presse

A exposição da Boeing foi fraca, em comparação com o Paris Air Show de 2013 e 2015, além do Farnborought de 2016, onde a Boeing realizou demonstrações em voo com o 787-9 e o 737 MAX 8. Nessa edição do Paris Air Show a Boeing só usou o 737 MAX 9, que fez seu primeiro voo neste ano, para as apresentações aéreas.

Outras aeronaves da Boeing dominaram a exposição estática, como o P-8A, o V-22, o Apache AH-64 e o CH-47, conhecido também como Chinook. Todas essas em parceria com a USAF, que cedeu as aeronaves para exposição.

Caso queira conferir a apresentação do 737 MAX 9, Clique Aqui.

 

Vídeo promocional

Foto – Boeing/Reprodução

Para o Paris Air Show 2017 a Boeing lançou um grande vídeo promocional, com suas duas aeronaves que ainda estão em programa de testes, o 737 MAX 9 e o 787-10, as duas aeronaves fizeram seu primeiro voo neste ano, e serão entregues a partir de 2018.

Na nossa avaliação esse vídeo incrível é um dos melhores que a Boeing já criou usando as suas aeronaves, e você pode conferir ele Clicando Aqui.

 

Encomendas

A Boeing acumulou mais de 74,8 bilhões de dólares em contratos fechados durante o Paris Air Show, abrangendo as encomendas e serviços prestados pela fabricante. Ao todo a Boeing finalizou a feira com 571 pedidos e compromissos por 16 clientes, incluindo 214 conversões de encomendas, a maioria delas para o 737 MAX 10, que apresenta uma vantagem operacional em relação ao 737 MAX 9.

Dessas encomendas 361 foram para o novo 737 MAX 10, sem contabilizar as 147 intenções de compra. No total a família 737 MAX também ganhou mais 7 encomendas para as outras versões, finalizando com 368 encomendas. Outras 56 encomendas foram realizadas para a família 777 e 787, suas duas aeronaves widebody que estão sendo ofertadas atualmente.

Destaque para a encomenda da United para 100 aeronaves 737 MAX 10 durante o Paris Air Show. Além da encomenda para até 175 aeronaves da família 737 MAX que a Boeing também recebeu durante o evento.

A Boeing também fechou um contrato de 6 bilhões de dólares para prestar serviços de manutenção e gerenciamento de frota.

 

Confira mais detalhes na tabela abaixo.

Lista de encomendas:

Cliente

Quantidade / Modelo

Valor
(preços de lista)

BOC Aviation

(10) 737 MAX 10

US$ 1,2 bilhão

GECAS *

(20) 737 MAX 10

Valor não divulgado

CDB Aviation Lease Finance

(Nota: inclui (6) conversões MAX)

(42) 737 MAX 8

(10) 737 MAX 10

(8) 787-9 Dreamliner

US$ 7,4 bilhões

Grupo TUI *

(18) 737 MAX 10

Valor não divulgado

Leasing financeiro no Tibete

(10) 737 MAX 8

(10) 737 MAX 10

US$ 2,3 bilhões

SpiceJet

(20) 737 MAX 10

US$ 2,5 bilhões

SpiceJet *

(20) 737 MAX 10

Valor não divulgado

AerCap

(30) 787-9 Dreamliner

US$ 8,1 bilhões

ALAFCO

(20) 737 MAX 8

US$ 2,2 bilhões

norueguês

(2) 737 MAX 8

US$ 225 milhões

Monarca **

(15) 737 MAX 8

Valor não divulgado

Lion Air Group

(50) 737 MAX 10

US$ 6,2 bilhões

ACG

(20) 737 MAX 10

US$ 2,5 bilhões

Okay Airways

(8) 737 MAX 10
(7) 737 MAX 8
(5) 787-9 Dreamliner

US $ 3,1 bilhões

Avolon

(75) 737 MAX 8

US $ 8,4 bilhões

BlueAir **

(6) 737 MAX

Valor não divulgado

Ryanair

(10) 737 MAX 8

(200 lugares)

US $ 1,2 bilhão

Companhias Aéreas de Azerbaijão

(4) 787-9 Dreamliner

US $ 1,1 bilhão

CALC

(35) 737 MAX
(15) 737 MAX 10

US $ 5,8 bilhões

United *

(100) 737 MAX 10

Valor não divulgado

Unidos

(4) 777-300ER

US $ 1,4 bilhão

Consultor de investimentos do Japão

(10) 737 MAX 8

US $ 1,1 bilhão

Ethiopian Airlines **

(10) 737 MAX 8

Valor não divulgado

Airlines Ethiopian

(2) 777 Freighters

US $ 651 milhões

ALC

(5) 737 MAX 7
(7) 737 MAX 8

US $ 1,2 bilhão

EL AL

(2) 787-8 Dreamliner
(1) 787-9 Dreamliner

US $ 729 milhões

Mauritânia Airlines **

(1) 737 MAX 8

Valor não divulgado

Donghai Airlines *

(10) 737 MAX 10

Valor não divulgado

Malaysia Airlines *

(10) 737 MAX 10

Valor não divulgado

Companhias aéreas de Xiamen

(10) 737 MAX 10

US $ 1,2 bilhão

Copa Airlines *

(15) 737 MAX 10

Valor não divulgado

Tassili **

(3) Próxima geração

737-800s

Valor não divulgado


Cliente principal da companhia aérea não identificado

(125) 737 MAX 8

US $ 14,1 bilhões

AerCap *

(15) 737 MAX 10

Valor não divulgado

Ruili

(20) 737 MAX 8

US $ 2,2 bilhões

Total de
pedidos e
compromissos incrementais

571 aviões

US$ 74,8 bilhões

* Conversão de pedidos