ATR 42-600
Foto: ATR

A ATR deve iniciar em breve os testes em voo com uma nova versão do 42-600, preparada para operação em pistas de curta distância.

De acordo com Simone Stanchi, diretor do programa STOL, a empresa está agora modificando a aeronave de matrícula F-WWLY para transformá-la em um avião da versão STOL.

Veja no vídeo abaixo:

A versão STOL modifica a parte traseira da fuselagem, os freios (que passam a ter função automática) e a parte de aviônicos da aeronave. Além disso, o ATR 42 ganha spoilers, que reduzem a velocidade durante o pouso, e também uma modificação para aumentar a área do leme, otimizando o controle em voos de baixa velocidade.

A previsão é iniciar os testes em voo até o final de 2022, com a certificação e entrega da nova versão em 2024.

As atualizações da ATR reduzem os requisitos mínimos de pista para 800 metros (2624 pés), ou seja, qualquer aeroporto com pista maior do que 800 metros poderá receber o turboélice da ATR, ampliando assim o mercado que a aeronave pode atender.

 

Novos motores

Recentemente a ATR também apresentou novos motores para as família 42 e 72. A Pratt & Whitney conseguiu criar uma versão com redução de 3% no consumo de combustível, na comparação com a opção atual de propulsão.

Os custos operacionais devem diminuir em 20%, visto que a P&W conseguiu estender o prazo de revisão em 40%, para 20000 horas de voo. 

Além do aumento da autonomia da aeronave, da diminuição do custo com combustível, o maior prazo entre as revisões aumenta o período de disponibilidade da aeronave para as companhias aéreas.

A maior eficiência de combustível foi atingida com a utilização de novos bicos injetores de querosene no motor turboélice. Além disso, a propulsão está alinhada com o futuro, ao aceitar biocombustível em uma mistura de até 50% com o tradicional Querosene de Aviação.