De acordo com a ATR, os próximos 20 anos serão de um crescimento significativo dos turboélices no mercado de aviação regional. Serão 3000 novos aviões fabricados neste período, todos na faixa de 30 a 90 assentos.

A frota total vai dar uma guinada, visto que o número de aviões nessa categoria subirá de 2260 (em 2018) para 4060 daqui vinte anos. Cerca de 1220 aviões serão aposentados neste período, e substituídos por novas aeronaves, dessa forma 1800 aeronaves representarão um crescimento da frota das companhias aéreas.

A demanda será deslocada em 80% bem na faixa que a ATR atende, de 60 a 80 assentos, com o modelo ATR 72-600, capaz de levar até 78 passageiros em uma configuração High Density.

Enquanto isso empresa se beneficia do resto do mercado com o ATR 42, que é o único turboélice de 50 lugares fabricado no Ocidente e ainda em produção. A empresa ainda está otimista, visto que desde 2010 detém 75% das encomendas para turboélices na faixa de 30 a 80 assentos.

Só aqui na América Latina serão 420 aeronaves para o mercado regional, é o segundo mercado com maior demanda depois da Ásia-Oceania.