Taiwan China
Porta-aviões USS Theodore Roosevelt (CVN 71) - Foto: da Marinha dos EUA pela Comunicação de Massa 2ª Classe Anthony J. Rivera / Lançada

A China enviou neste último fim de semana aviões militares para regiões próximas a fronteira da vizinha Taiwan. Essa é a primeira tensão entre as duas nações após a posse de Joe Biden como presidente dos EUA, na última quarta-feira (20).

De acordo com autoridades de Taiwan ao menos 13 aeronaves militares chineses foram identificadas pela zona de identificação de defesa aérea da ilha (ADIZ).

Caça chinês J-10- Foto: China Military

Ainda há informações relatando que alguns destes aviões militares chineses eram caças J-10, J-16 (caça baseado no russo SU-30), além disso, houve também a presença de aviões Y-8 utilizados para missões de reconhecimento e ataques a submarinos.

Outras aeronaves envolvidas foram bombardeiros chineses H-6K. Ao menos oito bombardeiros relizaram voos, o que com certeza foi motivo de preocupação por parte de Taiwan.

“As missões de alerta aerotransportado foram realizadas, avisos de rádio emitidos e sistemas de mísseis de defesa aérea implantados para monitorar a atividade”, publicou o site Reuters.

A Força Aérea de Taiwan chegou a ser acionada para interceptar as aeronaves militares chinesas em questão.

Caça F-16V de Taiwan equipamedo com armamentos ar-ar e anti-navio Harpoon- Foto da ROCAF

No próprio sábado os EUA enviaram um recado a China pedido que o país pare de intimidar Taiwan.


Presidente dos EUA, Joe Biden- Foto: Kevin Lamarque/Reuters

As tensões entre as nações asiáticas também estavam tensas no ano passado ainda no ex-governo Trump.

Os EUA apoiam Taiwan e também mantém presença militar na região, seja com porta-aviões, ou aeronaves em bases do Japão e na ilha de Guam, no Indo-Pacífico.