Aviação apresenta melhoras em relação a segurança diz relatório da IATA

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) anunciou o lançamento do Relatório de Segurança de 2019, que mostra melhorias contínuas na segurança das companhias aéreas em relação a 2018 e aos cinco anos antes disso.

Todos os principais indicadores de desempenho em segurança de 2019 melhoraram em relação a 2018 e à média do período 2014-2018, conforme indicado abaixo:

“A segurança e o bem-estar dos nossos passageiros e das nossas equipes de bordo são a maior prioridade da aviação. O lançamento do Relatório de Segurança de 2019 é um lembrete de que, mesmo quando a aviação enfrenta sua maior crise, nós nos dedicamos a torná-la ainda mais segura. Com base no risco de fatalidade de 2019, em média, uma pessoa poderia viajar de avião todos os dias durante 535 anos até sofrer um acidente com pelo menos uma fatalidade. Mas sabemos que um acidente é muita coisa. Cada fatalidade é uma tragédia; portanto é fundamental aprender as lições para tornar a aviação ainda mais segura”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

Taxas de perda total da fuselagem de jato por região das operadoras (a cada um milhão de partidas)

Cinco regiões apresentaram melhorias em 2019 em relação aos cinco anos anteriores (2014-2018) em termos de taxa de perda total de fuselagem de jato.

Taxas de perda total de fuselagem de turboprop por região das operadoras (a cada um milhão de partidas)

Todas as regiões, exceto a América Latina e o Caribe, apresentaram resultados melhores na comparação com as respectivas taxas de cinco anos. Os acidentes envolvendo aeronaves turboprop representaram 41,5% de todos os acidentes em 2019 e 50% dos acidentes fatais.

IOSA – IATA Operational Safety Audit

Em 2019, a taxa referente a todos os acidentes das companhias aéreas com certificação IOSA foi quase duas vezes melhor do que a das companhias sem certificação IOSA (0,92 vs. 1,63) e foi mais de 2,5 vezes melhor no período de 2014-2018 (1,03 vs. 2,71). Todas as companhias aéreas associadas à IATA devem manter sua certificação IOSA. Atualmente, existem 439 companhias aéreas com registro IOSA, das quais 139 não são associadas à IATA.

Risco de fatalidade


O risco de fatalidade mede a exposição de um passageiro ou membro da equipe de bordo a um acidente catastrófico sem sobreviventes. O cálculo do risco de fatalidade não considera o tamanho da aeronave ou quantas pessoas estavam a bordo. Esse indicador mede a porcentagem de fatalidades entre os que estão a bordo, expressado como risco de fatalidade em milhões de voos.
 
O risco de fatalidade de 0,09 de 2019 indica que, em média, uma pessoa poderia viajar de avião todos os dias durante 535 anos antes de sofrer um acidente com pelo menos uma fatalidade. Em média, uma pessoa poderia viajar todos os dias por 29.586 anos para sofrer um acidente 100% fatal.
 
 
Via: Assessoria IATA

DEIXE UMA RESPOSTA