Foto - ATR/Via Twitter

Faz algum tempo que a Avianca Colombia decidiu simplificar a sua frota e também das subsidiárias. Apostando na família Airbus A320neo e no Boeing 787 Dreamliner somente, a empresa colombiana precisou optar por retirar todos os ATRs e Embraer E-Jets da sua frota.

E na última quarta-feira (08/06) a Avianca se despediu definitivamente do ATR 72, com a última aeronave sendo a de matrícula HK-5041, recebida em 2014 pela companhia. Boa parte dos doze aviões que faziam parte da frota estão agora estocados na França.

“Hoje, nos despedimos do menor membro de nossa casa. Nosso último ATR 72 parte para continuar voando em outros lugares do mundo. Obrigado pelo seu tempo na Colômbia”, declarou a empresa.

A companhia encomendou esses aviões originalmente em 2012, e prometia ter 15 unidades do ATR 72-600 com 68 assentos a bordo, uma configuração confortável, para operar voos a destinos regionais no centro-sul da América e na Colômbia.

Contudo, com a crise enfrentada pela empresa, que estava em regime de Chapter 11, a Avianca precisou reformular e simplificar as suas operações. Em 2020 a companhia até ameaçou criar um braço regional separado, contudo, logo depois a decisão foi retirar os aviões comprados em um contrato de US$ 700 milhões.

Sem esses aviões, a Avianca aposta em um modelo de atender a alta demanda entre grandes cidades, e fazer codeshare para atrair os passageiros de voos regionais, como o assinado recentemente com a EasyFly, que opera com aviões ATR.

Por outro lado, há ATRs 72-600 com pouco tempo de uso disponíveis para leasing no mercado. A própria TAP Air Portugal está inserindo mais um ATR 72-600 na sua frota, e nos últimos meses a Azul recebeu três novos ATRs, do mesmo modelo que a Avianca devolveu.