Azul anunciou hoje seus resultados para o terceiro trimestre de 2017 (“3T17”). As informações financeiras apresentadas a seguir, exceto onde indicado, estão de acordo com as normas contábeis IFRS (International Financial Reporting Standards) e em Reais.

Em destaque está a redução da dívida bruta em R$ 737 milhões no trimestre citado, totalizando R$ 2,9 bilhões, enquanto que o caixa permaneceu estável em R$ 3,1 bilhões. Dessa forma o lucro líquido da empresa saltou para R$ 204 milhões no 3T17, com crescimento de 50% no resultado operacional em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Destaques Financeiros e Operacionais do 3T17

  • Azul registra resultado operacional de R$249,3 milhões, com margem de 12,5%, comparado com R$166,0 milhões no 3T16, margem de 9,6%. Este foi um terceiro trimestre com resultados recordes para a Azul.
  • O EBITDAR aumentou em 20% para R$634,0 milhões, representando uma margem de 31,7%, fazendo da Azul a companhia aérea mais rentável da América do Sul.
  • O lucro líquido totalizou R$204,0 milhões, o que representa uma melhora de R$194,6 milhões comparado com o 3T16. 
  • Os passageiros transportados (RPKs) aumentaram em 16% frente a um aumento de 13% na capacidade, resultando em uma taxa de ocupação de 83,1%, aumento de 2,1 pontos percentuais comparado com o 3T16.
  • Adicionalmente ao crescimento de dois dígitos na capacidade, a receita total por ASK (RASK) aumentou em 1,5% comparado com o 3T16, totalizando 30,96 centavos.
  • Redução de 1,7% no CASK total.
  • As despesas financeiras líquidas diminuíram em 29,6%, de R$200,5 milhões para R$141,2 milhões, devido ao menor custo médio da dívida e ao pagamento de empréstimos mais caros.
  • No final do 3T17, nossa posição de caixa foi de R$3,1 bilhões, o que representa 41,5% da nossa receita dos últimos 12 meses.
  • Dívida total de R$ 2,9 bilhões, redução de R$ 736,9 milhões no trimestre, resultando em uma alavancagem de 3,9x, considerando dívida líquida ajustada sobre EBITDAR.
  • A frota operacional da Azul contava com 118 aeronaves no final do trimestre, incluindo oito aeronaves de nova geração A320neo.
  • Em 19 de setembro, a Azul concluiu com sucesso sua oferta secundária de 44,7 milhões de ações preferenciais (14,9 milhões de ADRs), totalizando R$ 1,25 bilhão (US$ 398,5 milhões), duplicando a liquidez média diária da Azul.
  • Na comparação anual, o TudoAzul apresentou crescimento de 47% no seu faturamento bruto dos últimos dozes meses (excluindo a Azul).
  • A Azul foi a companhia aérea mais pontual do Brasil no 3T17, com pontualidade de 86,1% de acordo com a FlighStats (A15).

Destaques Financeiros e Operacionais do 3T17

  • Em 11 de outubro, Moody’s e S&P atribuem rating Ba3 e B+ para a Azul, respectivamente, com perspectiva estável.
  • Em 19 de outubro, a Azul Investments LLP precificou uma oferta no exterior no valor total do principal de US$ 400,0 milhões de Senior Notes com vencimento em 2024 e com um cupom de 5,875% por ano (“Notes”). Essa transação faz parte da estratégia de gestão do passivo da Azul, e os recursos serão utilizados para refinanciamento de dívidas e para fins corporativos gerais.
  • Também em outubro, a Azul anunciou planos para expandir Recife, seu hub do Nordeste com a  adição de 12 voos na cidade, e quatro novos destinos incluindo Rosário, Córdoba e Fort Lauderdale. Como resultado, a Azul mantém sua liderança em Recife com 57 voos diários para 25 destinos em 2018.