F-15 Eagle Foto: USAF

A BAE Systems pretende adquirir duas partes dos portfólios da Collins Aerospace e Raytheon que foram mandados para venda como parte dos requisitos regulamentares que permitem a fusão pendente das empresas americanas.

Anunciando os acordos formais de compra de ativos em 20 de janeiro, a BAE avalia sua proposta de aquisição dos negócios de GPS militar da Collins em mais de US$ 1,9 bilhão e diz que a obtenção da unidade de rádios táticos aéreos da Raytheon custará US$ 275 milhões.

Na pendência da aprovação regulatória de sua decisão “e do fechamento bem-sucedido da fusão da Raytheon-United Technologies”, os atuais interesses da Collins / Raytheon serão integrados aos negócios de Sistemas Eletrônicos da BAE nos EUA. A empresa sediada no Reino Unido descreve suas atividades como sendo “altamente complementares” à sua estrutura existente.

“É raro que dois negócios dessa qualidade, com perspectivas de crescimento tão fortes e muito próximos ao nosso portfólio, estejam disponíveis”, diz Charles Woodburn, executivo-chefe da BAE.

A BAE diz que o negócio militar de GPS da Collins – que emprega cerca de 675 pessoas em Cedar Rapids, Iowa – deve gerar receita de US$ 359 milhões em 2020. Sua aquisição será “financiada por nova dívida externa”, observa.

Até o momento, a Collins entregou mais de 1,5 milhão de unidades de GPS para instalação em armas guiadas com precisão, aeronaves e plataformas terrestres. A BAE espera que os negócios “vejam a forte demanda contínua dos clientes por seu portfólio de produtos, já que se espera que munições de precisão desempenhem um papel cada vez mais crítico nas operações militares”.

Enquanto isso, a BAE aponta para as atividades de rádio tático aéreo de Raytheon como tendo gerado receita de aproximadamente US$ 125 milhões no ano passado, com a unidade empregando cerca de 100 pessoas em Fort Wayne, Indiana, e Largo, Flórida. “A aquisição proposta seria financiada pelo caixa existente no balanço”, afirma.


“O negócio de rádios é um forte ajuste estratégico, adicionando posições complementares no domínio das comunicações aéreas, incluindo recursos de rádio definidos por software e um catálogo de formas de onda“, diz BAE.

 

Fonte: Flight Global

 

DEIXE UMA RESPOSTA