Clique Aqui e receba as principais Notícias da Aviação em tempo real diretamente no seu Whatsapp ou Telegram.

Arte do F-16 Block 70 do Bahrein, foto-Lockheed Martin Aeronautics

O Bahrein está se preparando para uma rápida modernização de suas capacidades militares.

Tendo se inscrito para comprar o novo F-16 Fighting Falcon Block 70 no ano passado, caças fabricados pela Lockheed Martin, o estado da ilha do Golfo também está investindo em novos helicópteros de ataque na forma do AH-1Z Viper da Bell, o estado recebeu recentemente um dos dois C-130 Hercules que a British Royal Air Force vendeu ao país árabe.

Ao aumentar suas capacidades, a Real Força Aérea do Bahrein (RBAF) está olhando além de apenas defender o reino rico em petróleo, disse o chefe da força aérea, o major-general Sheikh Hamad Bin Abdulla Al-Khalifa.

Com apenas dois esquadrões de caças F-16, a RBAF não apenas apoiou a defesa aérea da ilha, mas também as operações lideradas pela Arábia Saudita sobre o Iêmen e realizou batalhas contra o autoproclamado grupo do Estado Islâmico na Síria.

“Estamos desempenhando um papel importante tanto na coalizão internacional quanto nas coalizões do GCC”, disse Hamad à Aviation Week em uma entrevista exclusiva no período que antecedeu o Bahrain International Air Show de 14 a 16 de novembro.

A previsão de entrega dos novos F-16 do Bahrein é para 2020, Foto: Lockheed Martin

A Lockheed Martin recebeu um contrato de US$ 1,2 bilhão do governo dos EUA para produzir 16 novas aeronaves F-16 Block 70 para a Força Aérea Real do Bahrein.

O prêmio de Ação Contratada Não Definida representa a primeira venda do F-16 Block 70 e o ​​primeiro programa de produção de F-16 a ser realizado em Greenville, Carolina do Sul.

Os caças F-16 Block 70 será construído para o Reino do Bahrein nas instalações da Lockheed Martin em Greenville, em Carolina do Sul. O Reino do Bahrein é o primeiro cliente a adquirir o F-16 Block 70, a mais nova e avançada configuração de produção do F-16.

As novas atualizações são focadas principalmente na parte tecnológica do caça, incluindo um novo radar AESA APG-83 que fornece aos caças F-16 recursos de radar de caça da 5ª geração, aproveitando a comunalidade de hardware e software com os radares F-22 e F-35 que também utilizam o padrão AESA.

Dentro do cockpit temos alguns diferenciais em relação à versões anteriores do Falcon, as telas do cockpit fornecem imagens táticas críticas aos pilotos em alta resolução, facilitando o piloto a gerenciar situações que ocorrem no solo e no ar.

“Nossa prioridade número 1 era comprar um novo caça. A segunda é realizar uma atualização, mas nos concentraremos na primeira, porque nossos atuais F-16 já são muito capazes; eles estão fazendo um excelente trabalho”, diz Hamad.

Outras aeronaves de caça ocidentais foram consideradas, mas o Bahrein já estava familiarizado com a operação e manutenção do F-16. Colocar o Block 70 permitirá que um terceiro esquadrão de caças F-16 seja formado, dando ao RBAF a massa necessária para operações futuras. 

As primeiras aeronaves devem chegar no verão de 2022 e entrarão em operação entre 2023 e 2024. Enquanto isso, os tigres Northrop F-5 do RBAF serão mantidos e atualizados para mantê-los relevantes em suas tarefas de treinamento de caças multirole e lead-in.

2 elementos dos atuais caças F-16C Fighting Falcon do Bahrain/Foto- Bahrain Airforce

A nova frota de helicópteros de ataque AH-1Z deve chegar na mesma época que os novos F-16.

O pedido, formalmente assinado em outubro, está de acordo com o pedido de vendas militares dos EUA para 12 helicópteros feito em abril e substituirá o antigo modelo AH-1E/Fs atualmente em uso.

A principal tarefa dos Cobras é afastar a embarcação de ataque rápido que poderia ameaçar o transporte em torno do arquipélago de Bahrein.

A chegada dos dois novos C-130Js irá melhorar ainda mais as capacidades do RBAF, diz ele.

“Sofremos por falta de transporte aéreo. Fomos capazes de transportar tropas e pequenos equipamentos, mas com uma aeronave como o C-130J, que nos permitirá ter um papel mais forte na coalizão, sem depender de nossos vizinhos que tiveram a gentileza de levar nossos equipamentos e pessoal o passado”, diz Hamad.

 

Via – Aviation Week/Aeroflap

DEIXE UMA RESPOSTA