Aeroporto de Sinop. Foto: Divulgação.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 317,2 milhões para investimentos de infraestrutura nos Aeroportos de Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Alta Floresta, no Mato Grosso, operados, desde 2019, pelo grupo brasileiro Socicam – que administra aeroportos, rodoviárias, portos e centros comerciais.

A operação, que utiliza em sua estrutura a modalidade Project Finance Limited-Recourse, viabilizará a modernização e a ampliação da infraestrutura aeroportuária para os mais de dois milhões de passageiros desses aeroportos. 

O objetivo principal do investimento é aumentar a segurança, tanto quanto ao tráfego de aeronave com obras na pista e nas áreas de escape, como dentro do aeroporto, com a inspeção de bagagens, por exemplo. Na parte de passageiros também haverá investimentos na ampliação dos terminais e nos estacionamentos. 

O investimento permitirá um atendimento para a demanda crescente da região que deve ter um incremento de 49% até 2025, passando de 2,3 milhões de passageiros em 2021 para cerca de 3,5 milhões. Com os investimentos será viabilizada uma capacidade de 7 milhões de passageiros no final da concessão (2049).

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES. O financiamento do BNDES se viabilizou exclusivamente em função da geração de caixa do projeto. 

A diretora Solange Vieira, destaca a importância do modelo de Project Finance no financiamento, especialmente pelo fato de a Socicam ser um grupo brasileiro de médio porte. A estruturação do financiamento a partir de garantias do próprio projeto permite que empresas de médio porte possam entrar no mercado de concessões.

A previsão é que os investimentos mínimos obrigatórios estabelecidos pelo contrato de concessão sejam concluídos até outubro de 2023. Novas melhorias devem ser feitas após esse período a depender do nível do serviço prestado aos passageiros.

O financiamento será realizado em favor da Sociedade de Propósito Específico Aeroeste Aeroportos S.A, que venceu o leilão em março de 2019. O contrato de concessão prevê a gestão pela empresa até outubro de 2049, com possibilidade de ampliação de cinco anos em caso de necessidade de recomposição do reequilíbrio econômico-financeiro.

 

Via: BNDES