A Boeing apresentou nesta semana um foto do primeiro Boeing 777X na linha de montagem final, e em um estágio avançado de desenvolvimento, faltando apenas alguns poucos componentes para completar a montagem da aeronave.

Esse da foto é um avião para testes estáticos em solo, a conclusão deverá ser rápida, sem incluir o motor, isso facilita a montagem do avião, que não precisará ter dutos ou tubulações bem como a fiação e sistemas eletrônicos. Assim a equipe da Boeing já ganhará experiência na montagem da estrutura.

Com todos os testes em solo, a Boeing elimina várias horas de voo necessárias para certificar o 777X, e acelera a primeira entrega da aeronave.

A montagem final de uma segunda aeronave, que fará o primeiro voo em 2019, já foi iniciada, ainda sem uma previsão fixa determinada pela Boeing, mas o quão breve possível, de acordo com a empresa.

A montagem final é feita em Everett, por enquanto em um espaço que a Boeing conseguiu entre a linha de montagem do 777 Classic e do 747-8. A finalidade da Boeing é incorporar o processo de produção híbrida, ao usar o mesmo espaço de produção do 777 Classic para o 777X, a empresa já tentou isso anteriormente, com o Boeing 737 MAX, mas desistiu da ideia, quem incorporou a produção híbrida nessa situação foi a Embraer, mesmo com 70% de diferença entre as gerações dos E-Jets.

 

Novo edifício de construção dos componentes

Foto - Divulgação/Boeing
Foto – Divulgação/Boeing

A construção do novo edifício nomeado como “CWC” precisou de cerca de 4,2 milhões de horas de trabalho. No seu auge, cerca de 1700 funcionários contratados trabalharam no projeto. O novo edifício necessitou de:

  • 31000 toneladas de aço para todas as vigas, cerca de 300kg a cada pé quadrado;
  • 772 quilômetros em cabos de eletricidade;
  • 24500 metros de tubulação;
  • 150000 metros cúbicos de concreto. Que foi entregue por  mais de 16500 caminhões;
  • O tamanho do novo edifício equivale a 24 campos de futebol;
  • O edifício irá conter três das maiores autoclaves do mundo, que serão utilizadas para unir as superfícies em material composto, cada uma é grande o suficiente para caber duas fuselagens de um Boeing 737 dentro;

 

Cliente de estreia

A Emirates se firmou como a cliente de lançamento do Boeing 777-9X, a nova geração do consagrado wide-body da fabricante americana. Anteriormente a companhia que se comprometeu com o lançamento desta aeronave era a Lufthansa, que pretende substituir os seus 747 mais velhos pela nova geração do maior wide-body de um andar do mundo.

Além de ser a cliente de lançamento a Emirates se destaca por ter a maior encomenda para a família 777X, com 150 aeronaves encomendadas, sendo 115 do modelo 777-9X. Isso significa quase metade das encomendas recebidas pela Boeing até o momento, para a família 777X.

 

Boeing 777X

O Boeing 777X conta com duas opções de aeronaves, a 777-8X é capaz de receber 350 assentos em configuração padrão de duas classes, seu alcance é de até 15000km. Já o 777-9X, a maior variante da família T7 até hoje, será capaz de receber 450 passageiros em uma configuração de duas classes, com autonomia para 13200km de voo.

O novo avião inclui a combinação de “muitas heranças do 777 e do 787”, disse Beezhold. “Fizemos a fuselagem mais larga do que a do -300ER, para assentos mais confortáveis e fileiras com até 10 assentos.”

O novo 777X exigirá menos impulso do que o -300ER porque terá uma asa mais eficiente. E essa asa é bastante longa – a envergadura do 777X chegará a 235 ‘5 “(71,8 metros). Por ser mais amplo do que os gates padrões dos aeroporto, o avião terá uma asa dobrável para reduzir a extensão para 212,7” (67,7 metros) quando em solo.

Beezhold explicou que a Boeing desenvolveu uma asa dobrável para o 777 original, mas provou ser um design excessivamente complicado, pois a parte dobrável incluía um aileron, sendo então arquivado em favor de uma asa tradicional.

O 777X tem uma “asa dobrável muito simples – o acionador da estrutura está totalmente dentro da asa”, disse Beezhold, acrescentando que as companhias aéreas queriam um projeto que exigisse pouca ou nenhuma manutenção especializada.

O 777-8X concorre diretamente com o Airbus A350-1000, enquanto o 777-9X está sozinho em sua classe de aeronave, e irá atingir uma necessidade por maior economia mas sem perder a capacidade de transporte. Até a data, o 777X acumulou 320 pedidos fixos e compromissos de seis clientes no mundo inteiro. A primeira entrega está programada para 2020.