A Boeing expandiu sua unidade de fabricação em Montana, nomeada de Boeing Helena, para produzir mais peças em titânio para o 777X, que fará o seu primeiro voo em 2019.

A nova expansão da fabricante acrescenta 8300 m² na área total de produção, totalizando mais de 23900 m² de área de fabricação. Quase 150 funcionários foram contratados para trabalhar na nova linha de produção.

Essa planta de produção da Boeing já responde por um grande número de peças para as principais linhas de aeronaves comerciais da empresa, se tornando uma parte vital da cadeia de fornecimento de componentes. As novas peças fabricadas no local são para equipar o local da junção entre a fuselagem e a asa do 777X, que terá reforço em titânio para suportar os esforços sem, no entanto, acrescentar peso.

Esse local de fabricação da Boeing era da antiga empresa Summit Aeronautics Group, mas a Boeing comprou as instalações da mesma em 2010 e renomeou como Boeing Helena, incorporando a mesma na divisão Boeing Fabrication, que assume a produção de componentes para a divisão principal Boeing Commercial Airplanes.

De acordo com a Boeing, o 777X terá um consumo de combustível até 12% menor, com menores custos operacionais, em comparação com o atual 777.  No total a Boeing já recebeu 326 encomendas fixas para a família 777X, sendo quase metade delas da Emirates.