Boeing C-17 Recife RAF
Foto: Emerson Victor

O Recife recebe nesta semana um raro visitante, trata-se de um Boeing C-17 Globemaster lll da Royal Air Force (RAF).

Operando o voo RRR6658, o C-17 pousou no Recife às 17h50 da última terça-feira (12) procedente de Ascensão, pequena ilha, território britânico, que fica localizada no meio do oceano Atlântico sul.

A previsão de saída da aeronave era para o final da manhã de hoje rumo às Falklands/Malvinas, mas acabou não ocorrendo. A nova estimativa de saída da aeronave do Recife é amanhã (14) ainda sem horário confirmado.

Atualmente a RAF possui uma frota de oito cargueiros C-17A, todos operados pelo 99 Squadron da base de RAF Brize Norton.

O primeiro C-17 britânico foi recebido em maio de 2001. Brize Norton é a maior base da RAF e também abriga as aeronaves A400M Atlas, C-130 Hércules e A330 MRTT Voyager.

Em janeiro de 2022, foram registrados sete voos de aeronaves da RAF com paradas no Brasil em São Paulo, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro com aviões C-17 Globemaster III, Voyager (A330 MRTT) e C-130 Hércules. No caso do C-17, a aeronave esteve no Rio Grande do Sul em três dias consecutivos, fazendo escalas no Aeroporto Internacional Salgado Filho. 

Segundo o portal MercoPress, a Argentina se preocupa com a passagem de aviões da RAF no Brasil que tem o arquipélago – fonte de rusgas entre Londres e Buenos Aires – como destino final. Pela nota, a Argentina afirma que os voos mostram que o Brasil aceita a presença militar britânica na região, indo na contramão dos outros membros do Mercosul. 

Buenos Aires não tece criticas aos voos humanitários da RAF, que ocorrem em caso de resgate, calamidade e demais situações onde vidas correm risco. Contudo, aponta que os voos do mês de janeiro não tem qualquer caráter humanitário, sendo apenas deslocamentos militares.

O Reino Unido mantém tropas nas Flaklands desde o fim das hostilidades de 1982, com destaque para base aérea de Mount Pleasant, que conta com quatro caças Eurofighter Typhoon do 1345 Flight, e aeronaves Voyager e A400 do 1312 Flight. As unidades são subordinadas à Ala Expedicionária 905. Antes da guerra havia apenas um destacamento de Fuzileiros Reais.