O CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, declarou que a empresa encerrou os voos de testes com o novo software do sistema de voo do 737 MAX, que também corrige problemas relativos ao MCAS, com base no acidente da Lion Air em outubro de 2018.

De acordo com Muilenburg, foram 203 horas de voo, durante mais de 120 pousos e decolagens. Neste período os pilotos e engenheiros testaram características do software, incluindo itens de avaliação geral do voo, para verificar se as atualizações do MCAS afetaram outros controles de voo.

Em um voo de testes o CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, estava presente, conferindo o novo funcionamento do sistema em seu formato final.

Dennis Muilenburg no jump seat do 737 MAX 7.

Além disso, a Boeing conduziu testes em simulador para verificar a integridade e confiabilidade do software, pouco antes de iniciar voos de testes no 737 MAX.

Denis Muilenburg não mencionou em nenhum momento algum cronograma sobre quando a Boeing espera que a atualização seja certificada, e que a paralisação das aeronaves seja suspensa.

Recentemente a FAA instaurou uma comissão de segurança para avaliar o novo software, provavelmente para agilizar a certificação por outras agências reguladores, como na China e Europa. Nesta semana a FAA declarou que o novo software é operacionalmente adequado.

A Federal Aviation Administration (FAA) já atualizou os padrões de treinamento dos pilotos para garantir que os pilotos do 737 Max entendessem o MCAS.

 

Ontem Dennis Muilenburg lançou dois vídeos para fazer pronunciamentos sobre a Boeing e os testes com o 737 MAX:

 

Veja as alterações de software realizadas pela Boeing no sistema MCAS do 737 MAX:

Boeing confirma as mudanças no sistema MCAS do 737 MAX