Foto - Embraer

Em conversas recentes entre a Embraer e a Boeing, foi levantada uma questão sobre a instalação de uma unidade da Embraer nos EUA para fabricar em território norte-americano o cargueiro militar KC-390.

A linha de produção nos EUA seria uma segunda, sendo que a principal de montagem ainda seria localizada no Brasil, na Unidade de Gavião Peixoto-SP.

Essa conversa está ligada à junção das duas empresas que foi notícia há alguns meses.

Na decisão da joint-venture, ficou acertado que apenas a área comercial da Embraer teria a parceria com a Boeing, já a militar ficaria totalmente ainda no controle do Brasil, porém com ajuda da Boeing nas vendas do KC-390.

KC-390 – Foto -Aeroflap (Ilustrativa FIDAE 2018)

Os KC-390 que podem ser fabricados nos EUA seriam montados com as mesmas peças/tecnologia dos KC-390 que estão sendo fabricados no Brasil. Mas com a criação de uma unidade nos EUA, alguns ganhos para o cargueiro militar poderiam ocorrer.

O primeiro deles: O mercado americano, devido à exigência da USAF sobre a fabricação de suas aeronaves em território norte-americano.

O local onde a unidade nos EUA seria instalada ainda não foi decidido. O podemos saber é que acontecerá uma joint-venturemas que a Embraer tomaria conta de 51% desta parceria, o que demostra o controle da empresa brasileira no setor militar.

Isso que está acontecendo com o KC-390 é bem similar ao que ocorre com o Super Tucano, que é um projeto brasileiro, também é fabricado nos EUA, e comercializado para a Força Aérea dos EUA, para doações à forças como a do Afeganistão que usa o A-29 em missões contra o Talibã.

Esse exemplo está ligado ao programa norte-americano, que visa incorporar na USAF aeronaves para missões de ataque leve, o A-29 só entrou na concorrência do programa OA-X devido a fabricação nos EUA.