(Reuters) – A Boeing entregou em setembro 61 unidades do 737 de corredor único, sua aeronave mais vendida, números muito acima do mesmo período de 2017 e de agosto, e sugerindo que problemas de produção entre fornecedores podem estar diminuindo.

Os dados mostraram que as entregas totais nos primeiros nove meses do ano totalizaram 568 aeronaves, ante 554 no final de setembro de 2017, e apontaram para uma redução dos problemas de produção que fizeram com que aviões inacabados se acumulassem na fábrica da Boeing em Renton, Washington.

O presidente-executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, disse no mês passado que as entregas de 737 aviões de corredor único em setembro seriam tão boas quanto os 48 aviões entregues em agosto, já que a companhia trabalha para entregar um número recorde de aviões pelo segundo ano consecutivo. A empresa entregou 57 aviões em setembro do ano passado.
Foto – Boeing/Reprodução
A Boeing, que tem como meta entregar entre 810 e 815 aviões em 2018, está à frente de sua principal rival Airbus, que entregou 503 aeronaves até setembro deste ano, acima das 454 entregas no mesmo período de 2017.
 

A Airbus está lidando com atrasos nas entregas e problemas de qualidade, deixando uma trajetória íngreme nas entregas para o quarto trimestre, a fim de atingir as metas do fim do ano. A empresa francesa, espera entregar cerca de 800 aviões em 2018, excluindo o modelo A220, anteriormente conhecido como CSeries, recém-adquirido da Bombardier.

A Boeing também está à frente nas encomendas, registrando 631 pedidos de aeronaves líquidas após cancelamentos nos primeiros nove meses do ano, bem à frente dos 256 pedidos registrados pela Airbus.