Boeing KC-46A - Foto: Boeing

Ao mesmo tempo que a entrega do KC-46A Pegasus à USAF vem sendo feita pela Boeing. A fabricante norte-americana vem tendo problemas com o boom (braço que serve para conectar nas aeronaves para fazer o REVO).

Alguns pilotos de Fairchild Republic A-10 e Lockheed Martin F-16 Fighting Falcon, relatam que para conectar no boom, precisavam de “mais força”. Com esses devidos relatos a Boeing ganhou um contrato de US$ 55 milhões para redesenhar o Boom.

KC-46A Pegasus pousando na Base de Mc Connell- Foto- U.s Airforce

Essa força a mais que os pilotos precisam fazer com o avião para que seja conectado de fato, pode trazer um risco para ambas as aeronaves, a que fornece o combustível e as aeronaves receptoras, que vão desde caças, a aeronaves grandes como outros KC-46A, a B-52, C-17 Globemaster.

Outro problema também está ocorrendo com o sistema de visão remota do KC-46, um conjunto de câmeras usadas para guiar o boom de reabastecimento no receptáculo de combustível da aeronave. O reflexo do sol em determinados ângulos está causando certo apagões na tela do operador do boom, o que certamente dificultará a operação de REVO.

A última entrega do Pegasus para a USAF foi nos dia 8 e 9 de agosto, ao todo foram entregues mais 3 unidades do novo reabastecedor que tem como fuselagem base a do Boeing 767. A chegada do Pegasus servirá como substituição dos quadrimotores KC-135 e dos tri-reatores KC-10.

KC-46A Pegasus realiza primeiro reabastecimento em caça F-35 Lighting II- Foto: U.S Airforce

Apesar dos problemas inicias de atraso de entrega e da atual situação, o KC-46A é algo renovador para a USAF e já cumpriu certificações importantes como o primeiro reabastecimento em F-35A e o primeiro reabastecimento em um B-2 Spirit.