A Boeing anunciou ontem que investiu na empresa Cuberg, Inc., uma startup dedicada à projetos inovadores de baterias com potencial para aplicação na indústria aeronáutica e aeroespacial.

O foco da Boeing nesse investimento é desenvolver novas tecnologias para usar nos projetos da Aurora Flight Sciences, uma empresa adquirida recentemente pela Boeing e focada em produtos com propulsão elétrica e de mobilidade urbana.

A Cuberg desenvolveu uma célula de bateria avançada, que é projetada para ser uma solução drop-in para os processos existentes de fabricação de baterias em larga escala. Ele combina um ânodo de metal de lítio, eletrólito e cátodo de alta tensão para alcançar alta densidade de energia e durabilidade térmica.

“A tecnologia da bateria de Cuberg tem a maior densidade de energia que já vimos no mercado, e sua combinação única de química pode ser uma solução segura e estável para o futuro do transporte aéreo elétrico”, disse Steve Nordlund, vice-presidente da Boeing HorizonX.

“Com o financiamento da Boeing, expandiremos nossa equipe e nossas instalações de pesquisa e desenvolvimento para ajudar os clientes a integrar nossas baterias em seus produtos, enquanto também ampliaremos nossa tecnologia para a produção totalmente automatizada”, disse o CEO da Cuberg, Richard Wang.

Recentemente a Boeing apresentou um possível novo produto, já mirando o mercado de entregas de cargas. É um drone com capacidade para transportar 226 kg e com propulsão totalmente elétrica. 

A divisão Boeing HorizonX, através do instituto de pesquisa Boeing Research & Technology, liderou o desenvolvimento do protótipo CAV. As tecnologias desenvolvidas nesse protótipo permitirão também um veículo eVTOL no futuro desenvolvido pela Aurora, atualmente uma subsidiária da Boeing que foi comprada recentemente, além de uma aeronave cargueira nesse estilo.

O protótipo tem 6 baterias, sendo que são 3 de cada lado do drone, elas se localizam entre as garras que servem para apoiar o drone no chão. As baterias são recarregáveis e montadas pela Boeing, com tecnologia própria, para diminuir o espaço ocupado e maximizar a capacidade de reter energia, logicamente para propulsionar o protótipo por mais tempo.

Este é o primeiro investimento da Boeing HorizonX Ventures em uma empresa de armazenamento de energia, desde que o fundo foi estabelecido pela empresa mãe (a Boeing) em abril de 2017.