Com o 777 Classic se aproximando da sua aposentadoria da linha de montagem, e muitos desses aviões completando mais de 15 anos de uso, a Boeing quer dar uma solução definitiva para ‘aquecer’ o mercado de usados: A conversão desses aviões para cargueiros.

Essa é uma medida que possivelmente será aplicada ao 777-200ER, e também a versão LR a qual deriva o cargueiro que sai da linha de montagem.

Além da sobrevida do produto, se esse serviço de conversão for feito pela própria Boeing, através de uma subsidiária, a empresa poderá incrementar bastante a sua receita.

Ao mesmo tempo a Boeing pensa nessa possibilidade de uma maneira estratégica. Oferecer essa opção às companhias aéreas pode gerar impacto na linha de produção para novas aeronaves, e até mesmo minar os planos da Boeing de oferecer um cargueiro do 777X inicialmente, como forma de substituir os 747F e os MD-11 mais utilizados.

“Em todo o nosso portfólio de aviões comerciais e serviços, estamos sempre olhando para como podemos oferecer mais valor aos nossos clientes”, disse Dan Mosely, um porta-voz da Boeing, por e-mail.

Somente no primeiro trimestre desse ano a Boeing vendeu o dobro de cargueiros, em comparação com todos os 12 meses do ano passado. É um mercado com rápida expansão, que cresceu 9% só em 2017, e está sendo impulsionado pela onda de compras online, principalmente na Europa e nos EUA, na Ásia o avião cargueiro de grande porte representa uma forma rápida de transportar os produtos da fábrica até o mercado ocidental.