A Boeing prevê que as companhias aéreas do Sudeste da Ásia precisarão de 4.500 novos aviões nos próximos 20 anos, avaliados em US$ 710 bilhões a preços de tabela.

Os aviões de corredor único continuam sendo o principal fator de crescimento da oferta no Sudeste Asiático. Esse crescimento ajuda a estimular a demanda por serviços de aviação comercial, cuja previsão é de movimentar US$ 785 bilhões entre 2019 e 2038.

“Três países do sudeste da Ásia – Vietnã, Tailândia e Indonésia – figuraram na lista dos 10 principais países que adicionaram a maior capacidade de assentos de companhias aéreas desde 2010. O Vietnã registrou o maior crescimento dos três, com quase 15% ao ano, seguido por Tailândia e Indonésia em aproximadamente 10%, respectivamente”, disse Randy Tinseth, vice-presidente de Marketing Comercial da Boeing. “Com uma classe média em expansão, em um mercado que continua a liberalizar, juntamente com um forte setor de turismo doméstico, regional e internacional, o Sudeste Asiático se tornou um dos maiores mercados de aviação do mundo”.

Embora os aviões de corredor único dominem a previsão, essa região também exigirá uma quantidade significativa de aviões de grande porte, em termos de valor e número de unidades. A demanda é impulsionada pelas companhias aéreas que se adaptam ao ambiente de negócios em evolução e às novas oportunidades de expansão de longo curso. 

Os aviões de grande porte representarão 19% das novas entregas de aviões, permitindo que as transportadoras da região atendam a novas cidades em voos de longa distância.

O crescimento da aviação na região deve levar à necessidade de 182.000 pilotos, tripulantes de cabine e técnicos em manutenção para voar e manter a frota de aviões no sudeste da Ásia.

Essa demanda é projetada com base em uma combinação de novas entregas de aeronaves, taxas anuais de utilização de aeronaves, requisitos de tripulação por região e requisitos regulatórios.


No setor de carga aérea, após quedas em 2019, os volumes globais de frete deverão se recuperar em 2020, devido em grande parte à sólida produção industrial e ao comércio mundial. A longo prazo, projeta-se que a carga aérea cresça 4,2% durante o período previsto. Os cargueiros continuarão sendo a espinha dorsal do setor de cargas, com a necessidade de 1040 cargueiros novos e 1780 convertidos nos próximos 20 anos.

Em todo o mundo, a Boeing projeta a necessidade de 44.040 novos aviões comerciais no valor de US$ 6,8 trilhões.

A previsão completa está disponível em http://www.boeing.com/cmo .

DEIXE UMA RESPOSTA