Boeing 737 MAX

(Reuters) – A Boeing retomou as entregas do 737 MAX após solucionar os problemas relacionados aos problemas elétricos da aeronave. Devido a este problema, algumas aeronaves deixaram de voar até a resolução. 

A informação da retomada das entregas da aeronave foi passada por fontes à Agência Reuters. Desde meados de abril, a Boeing não entrou nenhum novo 737 MAX pois estava buscando soluções para o problema elétrico do modelo.

Cerca de 109 aeronaves 737 MAX afetadas pelo mundo todo, a resolução do problema foi iniciada no começo do mês, quando a Boeing recebeu autorização da FAA e de outros órgãos dos Estados Unidos para implementar a atualização. 

Como resultado da aprovação da FAA, a Boeing começou a enviar para as companhias aéreas um boletim de serviço sobre as correções que as empresas precisam realizar no 737 MAX.

Ao todo são três correções no sistema elétrico da aeronave, para evitar problemas de aterramento de energia, que a Boeing resumiu em apenas uma interligação entre os sistemas de aterramento com um cabo adicional, mostrando que a solução resolveu o problema encontrado até então e até mesmo questões de pico de tensão.

A Boeing diz que executar essa solução de acordo com o primeiro boletim de serviço pode levar algumas horas ou dias por aeronave. Este problema continua sem relação ao sistema MCAS, de acordo com um comunicado anterior da Boeing.

Os problemas no sistema de aterramento envolvem o painel de instrumentos principal da aeronave, onde as quatro telas estão localizadas, bem como no rack que abriga a unidade de energia de stand-by da aeronave. Também há uma falha no isolamento eletromagnético dos motores.

Nos EUA mais de 60 aviões foram afetados pelos problemas de aterramento no sistema elétrico do 737 MAX. No Brasil, apenas a GOL Linhas Aéreas que opera o modelo no país teve uma aeronave afetada. O avião passou pelo processo de atualização e retornou a malha ontem(19) à noite.