A Boeing divulgou mais detalhes sobre o projeto do trem de pouso do 737 MAX 10, a maior versão da família 737 MAX.

A fabricante já tinha informado anteriormente que para criar o 737 MAX 10 ela precisaria incorporar mudanças no trem de pouso, como forma de evitar o tail strike na hora do pouso e decolagem.

A Boeing estudou vários tipos de alterações, e acabou optando por um novo design da alavanca de acionamento e que guia o sistema de amortecimento, que agora se estende 241 mm no total. Ela é capaz de oferecer o curso total de suspensão que o 737 MAX 10 precisa, e recuar o mesmo para manter o mesmo compartimento do 737 MAX 8 e 9.

A inspiração dos engenheiros foi o 777-300, que tem um curso maior de suspensão. Muitos elementos de design do jato maior foram estudados pelos engenheiros da Boeing, até criar essa solução.

Além disso a alavanca incorpora o “link de encolhimento”, um mecanismo novo em comparação com os outros aviões, que puxa o cilindro interno à medida que a engrenagem se retrai, permitindo o perfeito encaixe no mesmo espaço.

“Do ponto de vista do piloto, não há nada diferente do trem de pouso do 737 MAX 10 e da família 737 MAX existente”, disse Hamatani no vídeo abaixo.

 

O Boeing 737 MAX 10

Para criar o 737 MAX 10 a Boeing acrescentará mais uma seção e meia na fuselagem do 737 MAX 9, aumentando o tamanho do avião em 1,68 metros, dessa forma a capacidade máxima da aeronave saltará de 220 passageiros para 230.

O motor será o mesmo que equipa o 737 MAX 9. Dois CFM Leap-1B, com 28 mil lbs de empuxo (cada), serão responsáveis pela propulsão do jato.

Depois de um lançamento bem-sucedido no Paris Airshow, o avião já acumulou mais de 450 pedidos firmes. As entregas estão programadas para começar no período de 2020. No Brasil a GOL já encomendou 30 unidades dessa aeronave.