Boeing se prepara para reiniciar produção de aeronaves militares e manutenção do 737 MAX

A Boeing disse que irá trazer cerca de 2.500 funcionários de volta às suas instalações na região de Puget Sound e Moses Lake em Washington, a partir de hoje (13) para operações limitadas que se concentrarão em programas de defesa e armazenamento, e manutenção do 737 MAX.

O trabalho relacionado à defesa e aeronaves militares, incluirá a produção de aviões de patrulha marítima P-8 Poseidon (versão militar do Boeing 737-800) para a Marinha e aviões-tanque KC-46 (versão militar do Boeing 767) para a Força Aérea.

Tanto o programa P-8 Poseidon quanto o programa KC-46 receberam reforços das forças armadas nas últimas duas semanas.

As operações de Moses Lake são para manutenção de mais de 200 aviões 737 MAX que estão sendo armazenados no aeroporto de Moses Lake, devido à paralisação mundial da frota do MAX.

A Boeing disse que outros locais e equipes de suporte essenciais retornarão aos locais de trabalho para atender às necessidades críticas dos clientes.

Dezenas de milhares de funcionários ainda estão ociosos devido à suspensão das operações de produção da Boeing em meio ao surto de coronavírus. Os funcionários que retornarem ao local de trabalho deverão observar práticas de segurança aprimoradas, conforme detalhado em um comunicado da Boeing. 

Os funcionários de Washington precisarão usar máscaras ou revestimentos faciais.


 

DEIXE UMA RESPOSTA