O B-1B 86-0101 chegando ao NIAR da Universidade Estadual de Wichita. Foto: Kelly Johnson/WSU.

Um bombardeiro supersônico B-1B Lancer aposentado pela Força Aérea dos EUA (USAF) será usado como objeto de estudos do Instituto Nacional de Pesquisa de Aviação (NIAR) da Universidade Estadual de Wichita. Em parceria com Divisão B-1 do Centro de Gerenciamento do Ciclo de Vida da Força Aérea, o NIAR vai estudar os efeitos dos 35 anos de operação contínua na fuselagem da aeronave. 

O B-1B matricula 86-0101, apelidado como “Watchman”, é um dos 17 bombardeiros B-1 que a USAF está aposentando, deixando somente os 45 aviões mais novos e menos de dispendiosos na frota enquanto aguarda a chegada do novo bombardeiro B-21 Raider

A aeronave que tinha como sede a Base Aérea de Dyess, no Texas, fez seu último pouso na Base Aérea de Tinker, em Oklahoma de City. Depois de seis semanas tendo seus trens de pouso, asas, deriva e estabilizadores horizontais removidos em Tinker, a fuselagem do B-1B Watchman, com dimensões de 39 metros de comprimento, 8 de largura e 4 de altura fez uma viagem de 265 quilômetros em uma carreta especialmente projetado para o serviço.

O NIAR também transportará asas, flaps, naceles, radome e outros componentes de interesse da Divisão B-1. 

A equipe do NIAR vai desmontar completamente a fuselagem do 86-0101, removendo a tinta e o primer anticorrosivo e realizará inspeções de alta fidelidade procurando rachaduras e corrosão em toda a fuselagem, incluindo áreas que estavam inacessíveis desde a fabricação em meados da década de 1980. 

Além disso, o NIAR vai fazer um “gêmeo digital” do B-1 através de escaneamento de alta fidelidade, criando um modelo digital da aeronave. Segundo o jornal Wichita Eagle, o programa ‘Digital Twin’ do NIAR já criou um modelo digital dos helicópteros UH-60 Black Hawk do Exército dos EUA. 

Em comunicado, o Instituto da Universidade explica que 86-0101 foi escolhido por ser uma das aeronaves mais usadas dentre as 17 aposentadas pela USAF. Uma desmontagem completa e um programa de inspeção abrangente fornecerão à Divisão B-1 uma compreensão única da condição atual da frota envelhecida. 

O B-1B sendo levado para o NIAR. Foto: Redhome Aviation.

Os resultados da inspeção permitirão que a Divisão B-1 inspecione proativamente a frota, projete reparos antes da necessidade da frota e gerencie de forma mais abrangente a frota de bombardeiros antigos, explica o Instituto. 

“O NIAR está entusiasmado em continuar a apoiar a missão da Divisão B-1 de manter os bombardeiros antigos operando com segurança até 2040”, disse Melinda Laubach-Hock, gerente do programa B-1 da NIAR e diretora de sustentação. “Avanços em direção ao gerenciamento proativo da frota com inspeções, reparos e manutenção irão melhorar diretamente a prontidão para a missão neste recurso militar importante.”

“A parceria do Wichita State com a Divisão B-1 apoia os esforços de sustentação para sistemas de armas legados, como o B-1, que impactarão imediatamente a preparação do guerreiro”, disse John Tomblin, vice-presidente sênior do Wichita State para a indústria e defesa e diretor-executivo do NIAR.

“Além disso, esses programas oferecem oportunidades de aprendizagem aplicada para alunos de graduação e pós-graduação do estado de Wichita, o que, por sua vez, permite que os militares aumentem sua força de trabalho futura”, completou Tomblin.